Top 5 Netflix: séries para assistir já!

Hoje o assunto é um pouco diferente, mas, de uma forma ou outra, não deixa de estar relacionado: SERIADOS! Mais precisamente as séries exclusivas lançadas pelo Netflix (em outra oportunidade posso fazer uma postagem exclusivamente sobre séries originadas da adaptação de livros, se vocês quiserem).

Mas por que falar de séries agora? Dois motivos: férias e ressaca literária. Julho é o mês que a maioria dos leitores tem férias e embora alguns estejam fazendo maratonas literárias e/ou colocando leituras atrasadas em dia, é bom ter algumas opções para o caso de rolar uma saturação de livros.

Outro momento bom para conhecer novas séries é quando baixa aquela baita ressaca literária, seja quando você acabou um livro muito bom e não sabe o que fazer da vida ou quando você não consegue ler um livro por nada nesse mundo. O livro pode ser aquele que você estava esperando o lançamento desde que foi anunciado ou aquele que todo mundo fala bem e, portanto deve ser bom, mas não adianta, você não consegue. Em ambos os casos, o melhor a fazer é criar uma distração momentânea dos livros e por isso separei algumas séries que, na minha opinião, são muito boas, cada uma no seu gênero e podem agradar os mais diversos gostos.

P.S.: lembra quando o Netflix surgiu e só tinha meia dúzia de filmes ruins e velhos? Eu lembro! Mas se você ainda não se atualizou: muita coisa mudou desde então. E mudou para melhor!

Separei 5 séries novas (ou relativamente novas, ou não) que estão fazendo bastante sucesso no momento e pra quem ainda não deu uma olhada, agora é um bom momento:

capaOrange-Is-The-New-Black-online 1. Orange is the new black

Orange Is the New Black (OITNB) aborda a história de Piper Kerman, uma mulher na casa dos seus 30 anos, de classe média-alta, mora em Nova York e tem um noivo. Piper é condenada a 15 meses em uma prisão feminina federal por ter transportado, 10 anos antes, uma mala com dinheiro de tráfico de drogas. Ela estava levando a mala a pedido de sua ex-namorada Alex Vause, uma personagem relevante no cenário internacional de drogas. A protagonista se entrega por vontade própria, para cumprir sua pena e se ver livre para retomar sua vida.

 
Conheci a série em 2013 por causa do frenesi que ela estava causando lá fora e como não consigo resistir ao hype das novidades, fui ver do que se tratava esse seriado. Foi a primeira dessas séries exclusivas produzida pelo Netflix que assisti e devo dizer que fiquei muito impressionada. Veja bem: minha imagem da plataforma ainda era aquela do lançamento (meia dúzia de filmes ruins e velhos), eu nem tinha conhecimento que produziam seriados e não esperava muito deles. Foi melhor assim, pois fui surpreendida positivamente pela série. OITNB é original, pioneira, engraçada, dramática, autêntica e visceral.

Não acompanhamos somente a história de Piper, no decorrer dos episódios tomamos conhecimento das histórias de cada uma das personagens e o que as levou até ali. Alguns relatos são tristes, outros corajosos, e por vezes, sinistros. Você se pega torcendo pelas personagens, não necessariamente para que cumpram suas penas e sejam liberadas: às vezes é para que encontrem aquilo que lhes falta: coragem, respeito, perspectiva, felicidade, amor.

Gosto muito da abertura da série, a música gruda na sua cabeça, você meio que decora a sequência das imagens que aparece e se pega esperando pelos rostos que, de certa forma, se tornam familiares.

Curiosidades: OITNB estreou na Netflix no dia 11 de Julho de 2013, a segunda temporada foi lançada em 6 de junho de 2014 e a terceira dia 12 de junho de 2015. É a segunda série remasterizada para resolução 4K pela Netflix, e a terceira transmitida pelo canal, ficando atrás de Breaking Bad e da transmissão original de House of Cards. A série foi renovada para uma quarta temporada.

Contém: drogas, sexo, palavrões, homossexualidade, violência, religião

Confira o trailer aqui.
 
 
unbreakable-kimmy-schmidt-first-season.350012. Unbreakable Kimmy Schmidt

Unbreakable Kimmy Schmidt conta a história de Kimmy Schmidt que viveu por 15 anos presa dentro de uma seita religiosa. Ela e mais 3 outras moças foram levadas a acreditar que houve um apocalipse na Terra e elas e seu “líder” foram os únicos sobreviventes. As garotas viveram em um buraco abrigo subterrâneo durante esse tempo. Depois do resgate, Kimmy decide viver em Nova York e reconstruir sua vida sem voltar ao passado. Lá ela encontra novos amigos e novos obstáculos, e tem, principalmente, que se adaptar a uma nova realidade da qual não conhece absolutamente nada.

Conheci essa série pelo youtube: alguns anúncios indesejados e outros youtubers comentando e promovendo o seriado. Uma promessa que me chamou atenção é a de que haveria muitas referências à cultura pop dos anos 90. Um dia à toa e me aventurei a ver o primeiro episódio. Os episódios são curtinhos, de 21 minutos e quando eu percebi, tinha passado o final de semana inteiro vendo a série. É o lado bom e ruim do Netflix liberar todos os episódios das temporadas de uma vez (que é a política que eles vêm adotando ultimamente).

A série é fofa, despretensiosa, engraçada e sim, as referências prometidas estão todas lá, misturadas é claro na cultura nova-iorquina atual. Vemos muitos clichês e ditados populares ao longo dos episódios e cada personagem te conquista de um jeito diferente. A protagonista não está completamente perdida nos dias de hoje, ao contrário do que teríamos esperado e seu incessável bom humor e expectativas boas de tudo e de todos poderiam ter irritado um pouco no começo, mas os outros personagens estão constantemente alertando-as sobre a realidade que ela se encontra.

Curiosidades: o enredo de Unbreakable Kimmy Schmidt foi escrito por Carlock e Fey (30 Rock).

Contém: alegria, gírias dos anos 90, gírias atuais, Beyoncé, religião

Confira o trailer aqui.
 
 
MV5BNjgwMTg2NTAzOV5BMl5BanBnXkFtZTgwOTc0MTI1NTE@._V1_SX214_AL_3. Grace and Frankie

Grace & Frankie mostra a vida de dois casais depois dos 70: os maridos são sócios em uma empresa de advocacia e a proximidade obriga as esposas, que não se dão tão bem assim, a conviverem. A trama, vivida por Grace e Frankie apresenta a vida de duas recém-divorciadas e seus dilemas após descobrirem que seus respectivos maridos Sol e Robert mantinham um relacionamento amoroso por vinte anos.
Essa surpresa modifica totalmente a vida das duas, já que além do casamento entre seus ex-maridos, elas terão de enfrentar o divórcio, divisão de bens, entre muitos outros desafios.

De novo youtube exercendo sua influência sobre mim: a principio a série parecia ser chata e recheada de drama de gente velha. E é. Mas vai muito além disso e é certo dizer que a comédia é o que sobressai. Como estava curiosa, vi todos os episódios em um final de semana, a premissa é nova, interessante e não ouço falar de outras séries que abordam essa temática. Mas apresentei o seriado para outras pessoas e algumas não conseguiram passar do primeiro episódio, pois ele tem uma carga mais informativa, ambientando o telespectador com a história e os personagens.

É uma série pra ver com a família, abrir a cabeça e aprender que a vida não para quando chegamos à terceira idade! Os personagens provam que são extremamente ativos, engajados, corajosos e sabem o que querem. Todos os personagens possuem qualidades e defeitos e cada particularidade é exposta ao leitor. Você se pega fácil torcendo pelos personagens e querendo que eles consigam superar seus obstáculos.

Curiosidades: O Netflix encomendou a produção da segunda temporada de Grace and Frankie. A informação foi divulgada pela página oficial da série no Twitter. A nova temporada terá treze episódios, o mesmo número produzido para a primeira.

Contém: sexo, palavrões, drogas, religião

Confira o trailer aqui.
 
 
sense8-poster4. Sense8

Sense8 conta a história de oito pessoas de culturas e partes diferentes do mundo, que não se conhecem: Will, Riley, Capheus, Sun, Lito, Kala, Wolfgang e Nomi. Em seu cotidiano, todos subitamente têm uma visão da violenta morte de uma mulher chamada Angelica e, a partir de então, eles, de repente, descobrem estar mental e emocionalmente ligados um ao outro, sendo capazes de se comunicar, sentir e apoderar-se do conhecimento, linguagem e habilidades alheios. Enquanto tentam descobrir como e porquê esta conexão aconteceu e o que isso significa, um misterioso homem chamado Jonas tenta ajudar os oito e outro estranho chamado Whispers tenta caçá-los.

A comoção toda na internet em relação a essa série se deu pela identidade dos produtores: todos estavam com grandes expectativas para o seriado. Eu não, só queria saber do que se tratava essa série de nome diferente. Confesso também que estava com medo de ter terror ou sustos ou elementos sobrenaturais medonhos. Tem TUDO isso e muito mais e ainda assim não consigo parar de assistir!

A proposta é confusa, começamos e terminamos o primeiro episódio da mesma forma que os personagens: completamente no escuro e sem saber o que esperar. Mas pelo menos eu fiquei muito curiosa (apesar do medo) e logo engatei o segundo episódio. Não sei se era o objetivo, mas todos os personagens possuem pelo menos um aspecto que nos fazem simpatizar com eles, torcer para que não morram e descubram logo o que está acontecendo.

Os produtores fizeram cada momento antes de uma revelação ser tão esperado quanto à revelação em si. Ainda não terminei de assistir, os episódios são de 50 minutos e não consigo emendar um atrás do outro como os outros, mas estou ansiosa pra acabar de ver.

Curiosidades: Sense8 é uma série norte-americana de ficção dramática dirigida, escrita e produzida por Andy e Lana Wachowski e por J. Michael Straczynski. A primeira temporada com 12 episódios foi produzida e lançada pelo serviço de streaming Netflix em 5 de junho de 2015.

Contém: violência, sexo, drogas, homossexualidade, palavrões, mais violência, religião, mais sexo

Confira o trailer aqui.
 
 
img-1029930-demolidor5. Demolidor

Marvel’s Daredevil (no Brasil, Demolidor), ou simplesmente Daredevil, é baseado no personagem da Marvel Comics com o mesmo nome. A história segue o protagonista Matt Murdock, um advogado cego, recém-formado e em busca de clientes no escritório de advocacia que mantém com seu melhor amigo, Foggy Nelson. Durante a noite, Matt usa seus sentidos aguçados que adquiriu após ter ficado cego quando criança para combater o crime nas ruas de Hell’s Kitchen, bairro onde cresceu em Nova York.

 

Pode ser que eu tenha deixado o melhor para o final. Os episódios do seriado vieram para acabar com a má reputação que o antigo filme do super-herói deixou para os fãs. E pode ter certeza que a série cumpriu seu objetivo. Fico com a impressão que o Demolidor é o super-herói mais real e humano que conheço, o que se dá, em parte, pela época de surgimento da HQ (não sabe do que estou falando?).

Os episódios são de 45 minutos cada e fui assistindo um atrás do outro. Lá pelas 3 da manhã o sono batia e eu capotava, mas assim que acordava, olhava para tela e continuava assistindo porque a série é muito boa e não dá pra parar de acompanhar!

A maioria dos personagens é muito intensa e a personalidade deles é construída gradativamente durante a série. Todos estão lutando contra conflitos internos, dúvidas existenciais e questões éticas. O protagonista Matt é um homem reservado, atencioso e sempre está querendo ajudar sua cidade natal, de uma forma ou de outra. Ele não se cura instantaneamente e ocasionalmente conta com a ajuda de seus amigos para se recuperar.

O vilão principal, Wilson Fisk, que mais tarde se tornará o Rei do Crime é interpretado por um ator extremamente habilidoso, que incorpora perfeitamente o personagem, de um tanto que por vezes tive vontade de dar um tapa na careca dele (obviamente ele me mataria depois). Os vilões secundários, não menos importantes, são responsáveis por moldar tanto o Demolidor quando o Rei do Crime e percebemos isso à medida que os dois fazem suas escolhas e tem de lidar com as consequências. O figurino e a ambientação são impecáveis e isso ressalta ainda mais todo o esforço, tempo e dedicação que foram aplicados à produção do seriado.

Recomendo para todos os fãs do herói, do universo da Marvel, de quadrinhos em geral, crianças, adultos, enfim, todo mundo. Estou ansiosíssima pela segunda temporada.

Curiosidades: A primeira temporada começou a ser exibida pelo Netflix no dia 10 de abril. Conforme modelo já adotado em outras produções no serviço, como “House of Cards”, todos os 13 episódios foram lançados de uma vez. Disponível apenas pelo serviço de streaming, “Demolidor” foi a segunda série mais pirateada em sua semana de estreia – 2,1 milhões de usuários, de 50 países, fizeram os downloads.

Contém: muita violência, gente bonita, gente louca, religião

Confira o trailer aqui.
 
 
 
Já ouvi falar dessas outras séries: House of Cards, Arrested Development, Lillyhammer, Hemlock Grove, The killing e Marco Polo; mas por um motivo ou outro, não me conquistaram. Vocês recomendam alguma?
Deixem um comentário falando se já assistiram alguma dessas séries, se gostaram ou se ficaram com vontade de assistir.

P.S.: Este post não foi patrocinado pelo Netflix, mas não me importo de ganhar uma assinatura vitalícia igual ao Silvio Santos.

Juliane Oliveira

Gosto de distopias memoráveis e contemporâneos que não sejam desnecessariamente tristes. Não sou muito fã de dias chuvosos ou frios. Apaixonada por séries, livros, filmes e pets no geral.

Related Posts

Discussion about this post

  1. Rafaela disse:

    Oi de novo, Ju!

    Eu devo parecer muito louca comentando em tudo, mas é que sempre estou na correria, e quando sobra um tempo eu gosto de ler os blogs que sigo 🙂

    Só ouço coisas boas de OITNB. Vou tentar começar a ver quando terminar Sense8, que por sinal é incrível, mindblowing e com personagens que eu não sei dizer qual amo mais, haha! Unbreakable Kimmy Schmidt eu vi uns 3 episódios e achei muito engraçada. Apesar disso, acabei não avançando pois quando tenho tempo sempre dou preferência para outra série :-/

    Já Demolidor… Olha, essa série revolucionou minha vida em 2015 e me fez comprar muitos quadrinhos da Marvel, hahaha! Sem contar que Charlie Cox é ♥

    Mas aproveitando a deixa, vou indicar duas séries que, apesar de não serem do Netflix, dá pra assistir pelo Popcorn Time! A primeira, também do universo Marvel, é Agent Carter. Os episódios são muito amorzinho, sem contar que a Peggy é muito girl power! Não é uma série sombria como Demolidor, está mais para Agents of S.H.I.E.L.D. que tem bastante humor e ação. Mas é muito divertida!

    A segunda é Wayward Pines, que é produzida pelo M. Night Shyamalan. Resumindo o enredo, o protagonista vai parar em uma cidade da qual está impossibilitado de sair. O clima é de filme de terror e a ideia da série surpreende bastante. Eu passei os seis primeiros episódios bolando altas teorias sobre o que estava acontecendo e quando revelaram eu quebrei a cara, pois era algo completamente diferente, hahaha! A série ainda está no sétimo episódio, então é tranquilo de acompanhar sem precisar fazer maratona huehue

    Beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *