Resenha: A rainha vermelha, Victoria Aveyard

22128_629184237215224_2824641707400954813_n
 
Título: A rainha vermelha
Título original: Red Queen
Autora: Victoria Aveyard
Editora: Editora Seguinte (HarperTeen)
Páginas: 384
Lançamento: 2015
Nota: ★★★★☆
 
 

Sinopse

O mundo de Mare Barrow é dividido por sangue, tanto por vermelho quanto prateado. Mare e sua família são os Vermelhos, destinados a servir a elite Prateada que com suas habilidades sobrenaturais tornam-os algo próximo a deuses. Mare faz o que pode para ajudar sua família a sobreviver, mas quando seu melhor amigo é recrutado para o exército, ela fará tudo para conseguir sua libertade… Abalando sua lealdade para o reino e frente ao rei e seus nobres, elas descobre habilidades superhumanas que ela não sabia possuir. Exceto… que seu sangue é Vermelho.
Para esconder essa impossibilidade, o rei a força a fingir ser uma perdida princesa Prateada e a une com um de seus próprios filhos. Enquanto Mare é sugada para o Mundo Prateado, ela arrisca sua nova posição para ajudar a Guarda Escarlate — lideres de uma rebelião Vermelha. Suas ações a colocam em uma mortal e violenta dança, colocando príncipe contra príncipe e Mare contra seu próprio coração.

Enredo e personagens

No universo distópico criado por Victoria Aveyard a sociedade é dividida entre Vermelhos e Prateados. Visivelmente, não é possível distinguir uns dos outros, exceto por suas vestimentas. O que os diferencia de verdade é a cor do sangue, e como o próprio nome diz, os Vermelhos possuem sangue rubro e os Prateados, sangue de cor prata. Somado a isso, os Prateados possuem também os mais diversos poderes, desde capacidade de atingir altíssimas velocidades, mover as coisas com a mente quanto manipulação de fogo e água. Cada Prateado possui somente um poder e os Vermelhos não possuem poder algum. A elite, formada unicamente pelos Prateados, acredita ter descendência divina, detém a maior parte da riqueza, assumem os variados cargos governamentais e políticos e travam guerras sobre guerras entre as nações para conquistar cada vez mais poder e riquezas. O problema é que os Prateados nunca vão à guerra, somente os vermelhos são enviados para as batalhas.

Esta é a verdadeira distinção entre prateados e vermelhos: a cor do sangue. Esta única diferença os torna mais fortes, mais inteligentes e melhores do que nós.

Ao completarem 18 anos, os jovens que não possuem um trabalho ou não estão aprendendo uma profissão são recrutados e enviados para os campos de batalha. De lá só voltam mortos, ou, quando têm sorte, sofrem um acidente de guerra e ficam incapacitados de servir e então são mandados de volta para casa. Como é de se esperar, os Vermelhos estão extremamente insatisfeitos com o sistema e com a morte constante de seus filhos enviados a uma guerra que não é deles.

Na escola, aprendemos sobre o mundo antes de nós, sobre o mundo antes de nós, sobre anjos e deuses que vivam no céu e governavam a Terra com mãos ternas e gentis. Alguns dizem que não passam de histórias, mas não acredito nisso.
Os deuses ainda governam. Ainda descem das estrelas. Só não são mais gentis.

A protagonista, Mare Borrow, tem 17 anos e vive com sua irmã mais nova, Gisa de 14 anos, e seus pais. Seus três irmãos mais velhos, Shade, Bree e Tramy, foram enviados à guerra e Mare, por não ter nenhuma habilidade que possa lhe desvencilhar do que a espera, está fadada a ter o mesmo destino dos irmãos. Gisa aprendeu a costurar e produz lindas peças de roupa para vender para os Prateados e essa profissão a livrará de ser mandada à guerra. Kilorn Wareen é o melhor amigo de Mare e se não fosse a acolhida da garota e sua família, o rapaz teria morrido de fome ao ser abandonado, quando criança, pela mãe quando seu pai morreu na guerra.

No começo do livro, somos apresentados às Efemérides, que são batalhas travadas entre dois Prateados numa clara demonstração de poder. Somente os Prateados lutam nesses eventos, que ocorrem sempre na primeira sexta feira do mês, ainda assim, os Vermelhos são obrigados à assistir e quanto mais demonstram participação e satisfação, mais são recompensados com recursos e alimentos. Mare entende que toda a tradição é uma forma de oprimir os Vermelhos e a participar das comemorações.

Mas não gritamos. parece que meu mundo é assim: cansada demais para lutar.

Mare e sua família moram no vilarejo pobre e sub-desenvolvido de Palafitas, nas montanhas de Norta. O rei Tiberias trava há anos uma guerra contra o povo da planíce de Lakeland, uma terra fértil, redeada de imensos lagos cheios de peixes, em busca de seus recursos e riquezas. A trama começa a se desenvolver a partir do momento em que o mestre que treinava Kilorn morre antes do garoto completar seu treinamento e, por ser menor de idade, o recrutamento do rapaz quando ele completar 18 anos, há poucos dias dali, é certo.

Kilorn ainda aguarda na escuridão, um menininho perdido. Penso que ele é isso mesmo.

Ao descobrir que o amigo irá para guerra, Mare tenta fazer de tudo para impedir e busca ajuda de Will, seu velho amigo para quem vende os artigos e jóias que rouba. A protagonista quer encontrar uma forma de fugir com Kilorn de Palafitas, para algum lugar distante dos guardas Prateados. Will diz não poder ajudar e após a insistência de Mare, lhe apresenta Farley, uma fugitiva fora-da-lei Vermelha que parece esconder muitas coisas da garota. Farley diz que é possível sim, mas que o custo seria caro: mil coroas, para cada um, que é mais dinheiro que Mare roubou em toda sua vida.

Não gosto de me meter nos assuntos dos outros. Não tenho tempo para isso. E, contudo, aqui estou, me ouvindo dizer duas palavras fatais:
– Deixa comigo.

Neste mesmo dia Mare parte de volta para o vilarejo, depois de ter pedido ajuda a sua irmã Gisa e não ter obtido sucesso na missão e começa a roubar o maior número de civis que consegue. Sempre enchendo os bolsos com dinheiro de bêbados e distraídos. Porém, quando ela tenta roubar um rapaz sentado ao bar, Cal, ele a descobre e, ao invés de desmascará-la frente a todos, entrega-lhe algum dinheiro e começa a conversar sobre a vida da garota e de sua família. Na manhã seguinte, empregados do rei batem a porta de Mare e a levam para trabalhar em serviço da coroa na Prova Real, um evento onde toda a elite se reúne para exibir suas filhas e habilidades, na esperança de que o rei e seu filho mais velho escolham uma delas para casar. Mare não imagina como nem porque foi parar ali, mas imagina que tenha recebido uma ajuda de Cal.

Minha opinião

O hype foi tanto em torno desse livro, tanto no Brasil, quanto fora que eu tive que comprar a versão original pouco depois do lançamento para ler logo e fazer resenha para vocês. Mas devo dizer que me decepcionei um pouco, primeiro com a versão original que tem um inglês muito difícil e cheio de palavras complicadas sobre monarquias e poderes sobrenaturais (alguns inventados). Comecei a ler o livro umas 3 ou 4 vezes e não conseguia passar dois primeiros episódios, em parte por causa da linguagem e também porque a autora passa os primeiros capítulos só criando a ambientação para a história, não há muitos acontecimentos importantes de verdade para a trama.

Outro fator que me desanimou foi o fato de não haver, basicamente, quase nada de novo na história. Senti que estava lendo um quebra cabeça, com peças de A seleção, de A jóia e de Divergente e isso me decepcionou bastante, pois estava esperando o melhor livro do ano, o que não aconteceu. A história não é ruim, é empolgante e vicia, só que, correndo risco de ir contra a maré, ouso dizer, que criaram muita expectativa.

Considerações finais

A edição da Editora Seguinte ficou maravilhosa e lembra muito a capa de Mentirosos. Sobre a tradução: está ok, perto do desafio que eles tiveram. Nossa edição ficou muito melhor do que a original e fico especialmente orgulhosa quando isso acontece, separei algumas fotos para mostras as diferenças:

1

2

4

A autora optou por recorrer à fórmula segura e repetida de sucesso: rebeldes descontentes com a opressão da elite que iniciam uma revolução. Recomendo a leitura se você gosta muito de distopias, abordagem de poderes sobrenaturais e aquela famosa divisão da sociedade em castas.

Sobre a autora

Victoria-Aveyard_author-photo-copy-5
 
Cresceu em Massachusetts e frequentou a Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles. Formou-se como roteirista e tenta combinar seu amor por história, explosões e heroínas fortes na sua escrita. Seus hobbies incluem a tarefa impossível de prever o que vai acontecer em As Crônicas de Gelo e Fogo, viajar e assistir a Netflix. A autora está no facebook, twitter e no seu site.

Compre em: Amazon | Submarino | Livraria Cultura | Saraiva
 
 
 

Regras do sorteio

– É obrigatório residir em território brasileiro.
– Perfis falsos ou exclusivos para promoções serão desclassificados;
– A promoção se inicia hoje, 01/07/2015 e termina no dia 10/07/2015.
– O sorteio será feito até o dia 11 de junho.
– A única regra obrigatória é curtir a fanpage do blog, mas cumprindo as entradas opcionais vocês tem mais chance de ganhar (quando clicar em curtir, certifique-se de marcar para receber as notificações da página, quem não marca essa opção o facebook considera uma curtida fantasma e a apaga).

a Rafflecopter giveaway

Boa sorte à todos!

Extras

O livro 2 da série está previsto para ser lançado em 2016 (sem tradução esperada ainda). A Editora Seguinte deve trazê-lo também. O nome do livro vai ser Glass Sword. Maaas, a sinopse do livro já foi liberada (em inglês) e eu traduzi para vocês:

ATENÇÃO: já na sinopse há SPOILERS sobre o primeiro livro, então se você não o leu, não leia a sinopse!

Se existe uma coisa que Mare Barrow sabe, é que ela é diferente.
O sangue de Mare Barrow é vermelho – a cor normal para as pessoas normais – mas ela possui uma habilidade dos Prateados: controlar a eletricidade, o que a tornou uma arma que a corte real tenta controlar.
A coroa afirma que a existência de Mare é uma impossibilidade, uma farsa, e ao fugir de Maven, o princípe que lhe traiu, Mare descobre algo surpreendente: ela não é o único Vermelha com poderes.
Perseguida por Maven, agora um rei vingativo, Mare sai para encontrar e recrutar outros lutadores híbridos para juntar-se na luta contra seus opressores.
Mas Mare se encontra em um caminho mortal, correndo o risco de se tornar exatamente o tipo de de monstro que ela está tentando derrotar.
Será que ela vai quebrar sob o peso das vidas perdidas em nome da rebelião? Ou a traição endureceu-a para sempre?
O próximo capítulo eletrizante da série Rainha Vermelha agrava a luta entre o crescente exército rebelde e o mundo segregado por sangue que sempre existiu

Sua voz ressoa com autoridade e ponderação nas últimas palavras:
– E nós vamos nos levantar. Vermelhos como a autora.

Juliane Oliveira

Gosto de distopias memoráveis e contemporâneos que não sejam desnecessariamente tristes. Não sou muito fã de dias chuvosos ou frios. Apaixonada por séries, livros, filmes e pets no geral.

Related Posts

19 Discussion to this post

  1. Bruna disse:

    Adorei a resenha, muito informativa e bem escrita!
    Confesso que eu tava querendo ler esse livro, mas tua resenha me desanimou um pouquinho viu haha
    Masss né, vou dar uma chance! Tô participando do sorteio o/
    adorei o blog!
    beijos!

  2. Bia Santos disse:

    Menina, como você escreve bem! Sério mesmo, parabéns!
    Acho que nunca tinha visto uma resenha tão detalhada antes.
    Beijinhos ♥

    http://www.pantufacorderosa.com

  3. Tay disse:

    Oii. Tudo bem ?
    Gosto muito de ler, mas confesse que esse não é meu tipo de história favorita, porém você escreve tão bem, com um jeito que envolve e não queremos parar de ler, que deu vontade de conhece-lo.

    Beijos da Tay

  4. nossa amei seu post super informativo interessante. eu tava querendo muito ler esse livro e ainda quero. Será que eu vou ter a mesma impressão que você ? Kkk fiquei mais curiosa ainda. super beijos

  5. Rebecca luiza disse:

    Amei teu blog, virei leitora já 😀 beijoos

  6. Mayara Vieira disse:

    Gostei do livro, vou participar do sorteio! E ah, adorei os Minions ali na foto! haha Bjs

    http://www.mayaravieira.com.br

  7. LiaCrityna disse:

    Nossa que resenha perfeita!
    Eu amei do começo ao fim.
    parabéns.

  8. Ana Caroline disse:

    Apesar de você achar o livro parecido com outros, quer muito ler, pois a autora dividiu a pupolação pelo sangue. A capa e os efeitos são lindos,

  9. Lucilene disse:

    Que capa linda, amei os efeitos , essa editora sempre arrasando com as capas. Nunca li nada da autora, mas quero ler esse pois amo distopias.
    Beijos

  10. Carolina Fonseca disse:

    Parabéns, pelo blog!
    Adorei sua resenha e fiquei ainda mais ansiosa para ler o livro 🙂

  11. Marie dos Santtos disse:

    Este livro está super comentado nos blogs!! Participando e torcendo!
    Marie dos Santtos
    mariedossanttos@hotmail.com

  12. Cailes Sales disse:

    Já ouvi falar bastante desse livro e todos os comentários foram positivos, fiquei curiosa para lê-lo, pois parece realmente interessante. Acerca dos pontos negativos que vc apontou na resenha, não falaram sobre nenhum deles em outras que li, mas é bom conhecer opiniões distintas. Realmente distopias tem um plano de fundo parecido, espero que a rainha vermelha tenha um diferencial *-*

  13. Yara Lopes disse:

    Confesso q eu me interessei pelo livro só pela capa.. depois q eu descobri sobre o q q era eu fiquei louca querendo!! Ameeeei a resenha e esse livro tá no topo da minha lista de desejados.. kkkk’ 😀

  14. Olá flor. É um prazer conhecer o seu blog e já estou amando.
    Alias, amei a sua resenha <3.
    Concordo bastante com a sua opinião em relação a ter nada novo no livro que não vemos em outros infelizmente. Mas é uma obra que realmente vicia e que não me controlei até a última página! Mas também me revoltei bastante com o livro e o final dele 🙁
    Mas enfim, não vejo a hora de lançarem o segundo volume finalmente!
    Beijos e muito sucesso querida!

  15. Ivanilde de Sá disse:

    Já li varias resenhas da Rainha Vermelha em diversos blogs…mas realmente gostei muito da tua resenha. Valeu!! ^_^
    ivanildesa@hotmail.com

  16. Rafaela disse:

    Oi, Juuu 🙂

    Putz, esse pessoal que faz as sinopses e põe spoiler tá de parabéns! sqn hahaha
    Eu confesso que não acompanho muito o pessoal da gringa que fala de livros e tal, então não participei do hype desse livro. Quando eu vi estava todo mundo falando de A rainha vermelha e eu aqui boiando, hehe. De cara, a capa me chamou bastante atenção, então considerei ler. Mas como tu disse, o hype foi tanto que praticamente todas as resenhas que vi diziam isso: o livro é legal, tem aquele ritmo que te prende, mas no fundo parece várias sagas famosas misturadas.

    Eu adorei as fotos comparativas da edição americana e da nossa. Ficou muito legal 🙂

    Beijos!

  17. Zilda Rosa dos Santos disse:

    Participando e torcendo muito!!
    Zilda Rosa dos Santos
    zildarosadossantos1@hotmail.com

  18. Cristiane de oliveira disse:

    A capa chama muita atenção e estão sim fazendo muito alarde com esse livro que estou até lendo todas as resenhas sobre ele, como gosto muito de distopias vou ler pra ter uma ideia melhor e comparar com as outras como disse, tem um pouco de tudo, isso não é bom mas vamos lá um pouco de leitura viciante não faz mal, vou ler só quando tiver toda serie pra não ficar na espera.

  19. Francisca Elizabete disse:

    Participando e torcendo muito para ganhar!
    Francisca Elizabete
    beti_bezerra@hotmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *