Resenha: One Man Guy, Michael Barakiva

one_man_guy

 
Título: One Man Guy
Título Original: One Man Guy
Autora: Michael Barakiva
Editora: LeYa
Páginas: 272
Lançamento: 2015
Nota: ★★★★☆

 
 
 

Sinopse

Um romance sobre dois garotos, dois mundos e um encontro.
Ethan é tudo o que Alek gostaria de ser: confiante, livre e irreverente. Apesar de estudarem na mesma escola, os dois garotos pertencem a mundos diferentes. Enquanto Ethan é descolado e tem vários amigos, Alek tem apenas uma, Becky, e convive intensamente com sua família e a comunidade armênia.
Mesmo com tantas diferenças, os destinos de Ethan e Alek se cruzam ao precisarem frequentar um mesmo curso de férias. Quando Ethan convence Alek a matar aula e ir a um show de Rufus Wainwright no Central Park, em Nova York, Alek embarca em sua primeira aventura fora de sua existência no subúrbio de Nova Jersey e da proteção de sua família.
E ele não consegue acreditar que um cara tão legal quer ser seu amigo. Ou, talvez, mais do que isso.
One Man Guy é uma história romântica, comovente e engraçada sobre o que acontece quando as pessoas saem de suas zonas de conforto e ajudam o outro a ver o mundo (e a si mesmo) como nunca viram antes.

“Só sei que gosto de estar aqui com você e não consigo me imaginar querendo mais ninguém. Isso basta para você?”

Enredo e personagens

Alek se sente um pouco diferente de sua família. Por exemplo, ele tem um lado muito forte em questionar as coisas que dizem a ele, não consegue aceitar tudo tão cegamente e ás vezes acha irritante que seus pais cuidem tanto de suas educação que ignorem as outras vontade do filho. Claro, eles são armênios e vivem no subúrbio de Nova Jersey, e a educação é uma das coisas mais importantes na família, mas isso chega a ser um pouco demais quando ele vê que terá um curso extra de verão enquanto seus pais e irmão estarão em uma viagem de férias.

No meio desse pequeno problema, passar seus dias trancado em uma sala de aula, ele é compensado com duas vitórias: ficar sozinho em casa, desde que mantenha contato diário com sua mãe, e poder escolher o destino de suas férias no próximo ano. O que ele não contava, em meio a normalidade das aulas e solidão de sua casa, é que Ethan, um dos garotos conhecidos como “desistentes” estaria em sua classe de cálculo. Alek, com sua vida certinha e regrada, vê com muito interesse e curiosidade a vida de Ethan, admirando-o de longe e aproveitando as poucas oportunidades que a vida lhe dá em interações com o garoto. Também serve de consolo para ele que sua melhor amiga, Becky, a patinadora, fique na cidade.

Em uma manhã, a caminho da escola, Alek vê Ethan parado na estação de trem, em direção a Nova York. Ethan o chama para ir até o Central Park, onde podem assistir ao show de Rufus Wainwright. Alek diz não poder ir, sem chance faltar aula, mas Ethan o puxa a força para o trem, no último segundo, e inicia seus truques para um dia divertido com apenas dez dólares.

Fugir de sua rotina fez com que Alek conhecesse melhor a cidade, Até então ele só conhecia a porção que seus pais permitiam que ele visitasse (sempre na presença de um adulto), melhor Ethan, rapaz que ele não tinha noção da sensibilidade e esperteza e principalmente, Alek conhece mais ainda de si mesmo. Não que ele se fechasse em um mundo fantasiado, mas é importante ver como ele cresce até o final do livro, é importante ver ele ultrapassando limites que muitas vezes os outros criam para sua vida.

Minha Opinião

O livro é sem dúvida muito fofo. O relacionamento de Alek e Ethan vai acontecendo de forma gradual e respeitosa. Os dois são meio tímidos, mas estão desejosos um do outro, o que faz com que as coisas aconteçam.

Achei importante mostrar o relacionamento dos amigos ao redor deles. Enquanto Ethan tem amigos skatistas e héteros, eles o aceitam e respeitam, Alek tem uma melhor amiga divertida e cabeça aberta. Mesmo no que é claramente um relacionamento de mundos diferentes, eles conseguem transitar com todos os integrantes. Outro quesito legal a ser ressaltado é compreender o limite e o tempo do outro. E também, talvez o mais importante, é compreender que os dois não precisam ser iguais para dar certo, até mesmo porque as diferenças podem ser material para aprendizado.

A Família de Alek, Kadarina, Boghos e Nik, são personagens mais profundos do que parecem, no começo do livro você vê uma faceta que me fez questionar se gostava ou não deles. Fico triste apenas por terem mostrado mais a fundo apenas no final. Talvez isso seja um dos pontos que me fez tirar uma estrelinha.

Uma das coisas mais legais é o cuidado que o autor teve com a cultura armênia. As tradições, a história, a cultura e o modo de pensar foram nos apresentados com bastante respeito e aguça nossa curiosidade. Acho muito interessante o apreço e a delicadeza que as pessoas tem com o passado que faz quem elas são. Isso é muito nítido, a família Khederian preserva os valores de gerações.

Considerações finais

A LeYa fez uma edição muito boa, não encontrei nada alarmante na revisão. A diagramação está ótima, apesar de simples, funcionou perfeitamente. A capa é a mesma da edição americana, e eles também mantiveram o título original, por se tratar do título de uma das músicas de Rufus Wainwright.

Vi o vídeo que o Vitor Martins fez falando tanto de One Man Guy quanto de Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo, muito fofo.

Autor

michaelbarakiva_photo

Michael Barakiva é diretor de teatro e escritor, tem ascendência armênia e israelita e mora no bairro de Hell’s Kitchen, em Manhattan, com o marido, Rafael Ascencio. É formado pela Vassar College e pela Juilliard School. Adora cozinhar, jogos de tabuleiro e se orgulha de ter conquistado o Most Improved Player Award de 2011 pelo New York Ramblers, o primeiro time de futebol para jogadores gays dos Estados Unidos. Michael já dirigiu peça no Oregon Shakespeare Santa Cruz, Syracuse Stage e no Ensemble Studio Theatre. One Man Guy é seu primeiro livro. Saiba mais sobre ele em seu site.

 

Compre o livro em: Amazon | Saraiva | Submarino | Livraria Cultura

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *