Resenha: Mosquitolândia, David Arnold

91pqJzLWJmL._SL1500_

 
Título: Mosquitolândia
Título Original: Mosquitoland
Autora: David Arnold
Editora: Intrínseca
Páginas: 352
Lançamento: 2015
Nota: ★★★★☆

 
 
 

Sinopse

“Meu nome é Mary Iris Malone, e eu não estou nada bem.” Após o inesperado divórcio dos pais, Mim Malone é arrastada de sua casa em Ohio para o árido Mississippi, onde passa a morar com o pai e a madrasta e a ser medicada contra a própria vontade. Porém, antes mesmo de a poeira da mudança baixar, ela descobre que a mãe está doente. Mim foge de sua nova vida e embarca em um ônibus com destino a seu verdadeiro lugar, o lar de sua mãe, e acaba encontrando alguns companheiros de viagem muito interessantes pelo caminho. Quando a jornada de mais de mil quilômetros toma rumos inesperados, ela precisa confrontar os próprios demônios e redefinir seus conceitos de amor, lealdade e sanidade. Com uma narrativa caleidoscópica e inesquecível, Mosquitolândia é uma odisseia contemporânea, uma história sobre as dificuldades do dia a dia e o que fazemos para enfrentá-las.

Enredo e personagens

Mary Iris Malone não está nada bem, e dizer isso em voz alta traz uma validade que não seria possível do contrário. As idas e vindas de Mim, como ela gosta de ser chamada, são uma forma de dar mais validade a tudo que ela está sentindo, afinal, é isso que chamamos de crescimento e toda essa confusão, em um nível ou outro, vem com a passagem pela adolescência.

Mim se mudou de Ohio para o Mississipi com seu pai. Como alguns (poucos) meses depois do divórcio de seus pais e antes dessa mudança seu pai se casa rapidamente com Kathy, a madrasta acaba vindo junto com a bagagem, e isso é apenas parte dos problemas da garota. Ela vai descascando uma cebola imaginária com seus problemas, desencadeada por uma conversa que ouve meio sem querer na sala do diretor da escola, quando a saúde de sua mãe é o centro, e todos os alarmes soam em sua cabeça.

Ela manteve o contato com a mãe, mas repentinamente as cartas e qualquer contato param. Na conversa ela ouvi um nome: Cleverland. E imediatamente sabe que é para lá que tem que ir em um tempo determinado, afinal sua mãe está precisando dela.

Desde muito pequena, Mim visita médicos e terapeutas. Seu pai é um pouco obcecado com a saúde mental da filha e acaba levando-a por esse caminho com ele. Por haver certos problemas nesse sentido na família, o pai vê seus comportamentos cada vez com mais urgência e medo, temendo um fim terrível. Suas pesquisas e leituras na área parecem um pouco retrogradas, e quando o atual terapeuta de Mim segue um tratamento diferente – que na visão do pai não está surtindo um bom efeito – ele a leva a outro terapeuta que receita um remédio forte chamado Abilitol, se tornando parte da rotina da garota.

Nessa viagem, que é uma fuga total dessa rotina estabelecida para ela, Mim passa por vários perrengues que a ajudam a ver mais sobre o mundo, a formar conceitos diferentes das pessoas (às vezes muito bons e outros bastante ruins), ela também aprende sobre amor, amizade e com a ajuda de um diário cheio de cartas para uma “Isabel” vai construindo a coisas de forma que a possibilite a desconstruir mais para frente., porque ela chega a conclusão de que as coisas tem que ser ditas. No ônibus ela começa seu contato com o mundo lá fora, sem o tipo de proteção que um lar pode proporcionar e sentimos com ela como o mundo é pequenos e as histórias estão de fato cruzando-se o tempo todo, como todo seu peso e drama, que mesmo em um livro fictício, é bastante real.

Minha Opinião

Quis ler esse livro por dois motivos:
1. A capa é uma das mais lindas que já vi nessa vida e eu gostaria de dar um abraço no ilustrador. Andrew Fairclough, se estiver interessado. (Você pode ver mais sobre o trabalho dele aqui, aqui, e aqui).
2. Ele era o livro do mês de agosto do Clubinho do Vitor Martins. E acabou virando um dos livros do Clube literário que participo aqui na minha cidade.

Eu não sabia bem o que esperar, tenho a mania de nem ler sinopses, sabia bem o básico mesmo e acho que isso me ajudou a ter uma boa experiência. Já percebi que expectativa não é favorável às minhas leituras, então não esperar nada me traz algumas surpresas.

Por exemplo, a escrita do David é muito gostosa, é bem fluida e bem construída, daquelas que você não vê o tempo passando. Outra coisa são os personagens, principalmente a Mim, que é bem do tipo que gosto, porque ela é inteligente e pensa e tem umas sacadas tão geniais que me deu vontade de marcar o livro inteiro (vide foto abaixo).

3

Achei a forma como o David vai deixando você saber as coisas aos poucos muito interessantes. Como o livro tem uma série de cartas, você sente que a Mim está preparando o terreno para contar as coisas, dando tempo ao tempo e construindo uma teia em sua história do passado mesclado aos acontecimentos no tempo presente. Como uma série de causas e consequências.

Eu senti o livro como um filme da “Seção da tarde”, daqueles que você não esquece a sensação e tem vontade de sair em uma missão que envolva uma road trip para altas aventuras e descobertas incríveis. Sei que o livro deixa algumas coisas a desejar, por vezes com soluções meio que jogadas na sua cara, mas eu acabei relevando porque gostei do total.

Considerações finais

Como eu disse, a capa é linda, super sintetiza a vibe do livro. A edição da Intrínseca está ótima, tenho uma queda por suas diagramações. O livro conta com algumas ilustrações engraçadinhas e as cartas, que são compostas com uma fonte tipográfica diferente do restante do miolo.

1

 

Autor

IMG_7198

 
 

David Arnold mora em Lexington, Kentucky, com a esposa (adorável) e o filho (agitado). Já trabalhou como músico/produtor freelance, pai em horário integral e professor de pré-escola. Acredita no poder da gentileza e da comunidade. E batatinhas chips. Acredita muito em batatinhas chips. Mosquitolândia é seu primeiro livro. Você pode saber mais dele aqui, em seu instagram e em seu twitter.
 
 
 
 

Quotes

Todo bom personagem, Isa, seja na página ou na tela, é multidimensional. Os mocinhos não são de todo bons, os vilões não são de todo maus, e não deveria existir qualquer personagem que seja apenas uma coisa ou outra.

Em seguida, soltando o lápis, ela se vira para mim. “Escrever meio que… amarra as pontas soltas do meu cérebro, sabe?“

– Sabe, quando eu era mais nova, achava que, se vivesse o bastante, entenderia melhor as coisas. Mas agora sou uma senhora, Mim. E juro que, quanto mais vivo, menos as coisas fazem sentido.

E, por mais simples que pareça, acho que entender quem você é – e quem não é – é a coisa mais importante de todas as Coisas Importantes.

Quando nasceu, você chorou enquanto o mundo se deleitava. Viva a vida de modo que, quando morrer, o mundo chore enquanto você de deleita.

Penso em como as coisas mudaram rápido para mim. Mas essa é a essência da mudança, não é? Quando é gradual, chama-se crescimento; quando é rápida, mudança.

– Você já teve a sensação de ter perdido algo importante, só para descobrir que a coisa nunca existiu para começo de conversa?

Escrevo para você com a maior das urgências. Escrevo sobre assuntos pesados e depressivos. Escrevo para ensinar e aprender, para expurgar e preencher. Escrevo para falar e escrevo para ouvir. Escrevo para contar a maldita verdade, Isa.

Extras

Como o David também é músico, aqui você pode ouvir algumas músicas compostas por ele e baseadas tanto em Mosquitolândia quanto em seu próximo livro, que está previsto para ser lançado em 2016 lá fora.

Related Posts

32 Discussion to this post

  1. Oie!

    Não conhecia o livro, mas achei a sinopse bem instigante. Depois de ler a sua resenha, fiquei bastante curiosa com a leitura.

    Beijos,
    Dai

  2. Oi Laryssa.
    Lendo sua resenha pensei exatanente em Seção da Tarde. Ainda não tinha parado para prestar muito a atenção ao livro, vou pensar nele com mais carinho agora, quem sabe no futuro.

  3. Olá, achei sua resenha ótima! Eu tenho muita vontade de ler esse livro, ainda mais agora sabendo que ele é composto por várias cartas, eu não fazia ideia disso, achei muito bacana a proposta dele e por ser uma leitura leve tenho certeza que iria amar!

    Beijos

  4. Kamila Villarreal disse:

    Olá!

    Eu já tinha ouvido falar nele, mas não sabia do que se tratava. A capa é linda mesmo, me interessei por ele, a premissa é bem diferente – e o nome da personagem é engraçado rs

    • Laryssa Tavares disse:

      @Kamila Villarreal, Olá,
      HAHA O nome… Eu adorei, acho que fica engraçado principalmente pra gente daqui. Essa capa, o artista que faz ela é muito bom, me apaixonei no estilo dele. Tô ansiosa aqui pra mais livro do autor.

  5. Quero muito ler esse livro, já esta nos meus desejados só esperando pelo dinheiro!
    hahahaha
    Adoro livros com ilustraçoes!
    BJu

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Letícia,

      assim que tiver um dinheirinho coloca no seu carrinho mesmo, tenho certeza de que vai aproveitar.
      Também adoro, mas livros com cartas são o meu fraco.

      Beijos!

  6. Silvana disse:

    Olha tenho que confessar que gostei bastante da sua resenha.
    Eu ainda não tinha visto nenhuma resenha sobre esse livro, porque sinceramente não me chamou muita atenção.
    Achei a diagramação toda linda, mas eu não sei se pegaria ele para ler por agora, até porque eu tenho outras prioridades, mas
    eu vou anotar a dica, até porque quero conhecer a estória e quem sabe eu venha me surpreender né?
    Adorei seu ponto de vista também, até porque você falou umas coisas do livro que me agradaram bastante =]

    • Laryssa Tavares disse:

      Olá,
      olha, eu aconselho a pegar os livros na hora que você sente que é a certa. Muitas vezes a gente se força e acaba não tendo o melhor aproveitamento da história por isso. Mas quando der por aí, pega esse, é um livro bem gostoso de ler. Espero que se surpreenda!

      Beijos!

  7. Confesso que a cada resenha que vejo sobre esse livro, fico mais interessada em lê-lo.
    E claro que já anotei na minha wish book list.

    Beijos

    • Laryssa Tavares disse:

      Vamos disseminar esse livro pelo mundo. HAHA Acho que foi um dos que mais mexeu comigo esse ano.

      Beijos.

  8. Gabriela Erler disse:

    Ei Laryssa, tudo bem?
    Estou bem curiosa com esse livro, por causa do Clubinho do Vitor Martins. Não sabia nada sobre a história e me surpreendi pela sua resenha. A premissa é bem legal e parece ser uma ótima leitura para o fim de semana, ou para passar o tempo. Também adorei a capa, com tons mais suaves e tals. Espero ter oportunidade de lê-lo em breve.

    Beijos, Gabi

    • Laryssa Tavares disse:

      Olá, Gabi, tudo bom?
      Eu fiquei mega curiosa por conta do Clubinho também, tanto que basicamente forcei pra que o livro estivesse no clube literário que faço parte aqui na minha cidade.
      Eu acho que é bem isso mesmo, leitura para passar o tempo de forma agradável. Eu fui meio sem esperar nada, então a surpresa foi muito boa.
      Beijouts.

  9. Que legal esse livro!! Amei muito a capa e o nome, a história parece ser muito legal tambem, fiquei super curiosa para lê-lo 🙂

    • Laryssa Tavares disse:

      Oie, bem legal, né? A capa logo chama nossa atenção mesmo e a história super vale a pena. *-*

  10. Nina Tavares disse:

    Oi Laryssa!
    Já tinha visto esse livro por aí, mas confesso que ele não tinha chamado minha atenção até ler sua resenha. Fiquei encantada com seu texto e louca para ler o livro. E concordo com você, a capa é mesmo lindíssima!

    B-jussss!

    • Laryssa Tavares disse:

      Opa, obrigada *-* Acho que resenhas são importantes nesse processo de “esse livro é pra mim?” HAHA E quando a gente gosta do livro, acaba se empolgando e querendo que o mundo leia, mé?
      Beijos!

  11. Lorrainne disse:

    Confesso que nunca tinha visto ou ouvido falar desse livro, mas adorei a resenha e espero que eu possa ler o livro para ver o que eu acho.
    A capa e o diagrama são lindos.
    Adorei a resenha.

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Lorrainne,
      Se tiver uma oportunidade, nem que seja de folhear as páginas, aproveite! Vai que é seu estilo, ou o tipo de livro que você precisa no momento, né?

      Beijos

  12. Tay disse:

    Olha, vou lhe dizer, Tbm não leio sinopses, acho que da informações que eu não quero saber antes de ler…
    E eu gostei do livro, é importante passar o que o livro te passou, eu gostei da sua impressão do livro.
    Eu não leria o livro porque a permissão não me instigou, mas, gostei bastante da resenha.

    Bjs
    Tay do Let It Shine

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Tay!
      Pois é, as sinopses entregam demais, às vezes, e eu fujo disso.
      Esse livro mexeu bastante comigo, essa é a verdade. HAHA
      A premissa desse é algo mais complicado mesmo, nem sempre agrada todo mundo, normal. Se um dia sentir que quer ler, aproveite a sensação.

      Beijos!

  13. Tahis Aguiar disse:

    Olá!
    Eu também me apaixonei por essa capa, tão simples e fofa rs’
    E quando a vi na livraria logo li a sinopse e fiquei curiosa a respeito da história e essa é a primeira resenha que ler sobre o livro, e só fez aumentar a minha vontade de ler, fiquei meio com medo desse pai louco ae rs’ e muito curiosa para saber mais da Mim, parecer uma menina diferente a seu modo. Já quero ler esse livro logo rs’ Parabéns pela resenha!

    Beijos!

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Tahis,

      Acho que a primeira coisa que chama atenção é a capa mesmo, ela te convida a pelo menos dar uma olhada a mais no livro, né?
      O pai da Mim é muito complicado, e a Mim é uma personagem muito especial. Só de lembrar eu já fico com vontade de reler. HAHA

      Beijos.

  14. Mayara Milesi disse:

    Oii
    Gostei muito da sua resenha, mas infelizmente o livro não me interessou muito. Quem sabe lá na proxima?
    Mas uma coisa eu te garanto, a edição mesmo sendo simples, amei a diagramação.

    beijos
    Mayara

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Mayara,

      Quem sabe depois você pensa em dar uma chance, né? Mas tranquilo!
      A edição tá linda mesmo, e essa ilustração da capa é de matar! HAHA

      Beijos.

  15. Oie, tudo bom?
    Eu já conhecia o livro e a história é diferente do que imaginei. Sei lá, mas imaginava algo meio filosófico. Gostei da premissa e a capa realmente é bem interessante e chama a atenção.
    Beijos

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Aline, tudo bem?

      Então, a gente é convidado a refletir bastante com a Mim, eu repensei um monte de coisa da minha vida. Tem umas frases que marcam a gente mesmo. HAHA

      Beijos.

  16. Olívia disse:

    Olá

    Adorei a premissa do livro, gosto de personagens inteligentes, a diagramação realmente tá linda,fiquei curiosa pra ler agora,valeu pela dica.

    Bjss

  17. Erika disse:

    Oie, tudo bem? Ainda não conhecia o livro, mas realmente concordo com você a capa é simplesmente perfeita. Pelo nome ele não parece chamar muito a atenção, mas conforme fui lendo suas palavras, foi aumentando a curiosidade para saber o que acontece. As ilustrações são incríveis. Com certeza este livro já está na minha lista. Beijos, Érika

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *