Sangue e Mentiras, Leigh Bardugo

O que você conhece do mundo Grisha? Se na Trilogia Grisha acompanhamos pessoas orgulhosas, e por vezes arrogantes, cheias de poder e prestígio em seu mundo por serem quem são, na nova série de Leigh Bardugo intitulada Six of Crows temos uma visão um pouco diferente do que se pensa deles nas outras regiões do mundo. Se você não leu a primeira série de livros, pode encontrar algum spoiler, mas como as histórias não são necessariamente continuação uma da outra, não se perde muito começando com esse livro.

Saindo de Ravka, vamos para Ketterdam, a maior cidade da Ilha de Kerch, onde muitos grishas se refugiaram depois da guerra. Lá, a escravidão é supostamente proibida pelo conselho mercante – que é quem controla a cidade. Em contrapartida, a servidão é permitida e não há regras estabelecidas para isso, assim que muitos deles acabam atrelados a acordos financeiros que nunca vão conseguir arcar.

Como a cidade é portuária, um grande centro comercial, muita gente entra e sai, muita gente de lugares distantes, e isso é uma vantagem tanto para os grandes comerciantes, que lucram dia após dia, e para a escória localizada no Barril – como é conhecido o local. As gangues controlam o local e os sujeitos menos humanos e com escrúpulos mais questionáveis encontram seu lugar, a depender de seus talentos. A servidão é o que realmente liga uns aos outros, não conhecemos muitos de seus afetos, apenas a vantagem acima de tudo.

Kaz Brekker – conhecido como Mãos Sujas, o verdadeiro desgraçado do Barril – é uma espécie de sublíder da gangue de nome Dregs, chefiada por Per Haskell. Dono do Clube dos Corvos, graças a sua inteligência, astúcia, talento para números e uma falta crônica de humanidade, trouxe renome para a gangue e temor aos seus inimigos. Seu passado o atormenta, e mesmo sem que saibamos muito bem o que houve ali, sabemos que há muito de tempos não tão distantes por trás de suas ações.

Seja decisiva, dizia ele. Você precisa saber aonde quer ir antes de chegar lá.

Graças a ele, conhecemos tanto a missão que direciona a história quanto os personagens que a compõe. Jurda é uma planta estimulante que cresce nas regiões de Novyi Zem, o comércio cresce bastante graças a ela, inclusive. Porém, um cientista Shu (outra nacionalidade dentro da história) chamado Bo Yul-Bayur cria uma droga chamada Jurda Parem, que funciona como um amplificador extremamente viciante para os poderes dos Grishas e letal para aqueles sem poder. Kaz, sequestrado em uma forma de ser apresentado a esse poder perigoso, é convencido a ir atrás do cientista por Jan Van Eck, um proeminente comerciante e parte do conselho. Bo Yul-Bayur é mantido preso nas terras Fjerdanas, e em troca de uma quantia absurda de 30 milhões de kruges. Kaz precisa da equipe certa para uma missão impossível. E é aqui que conhecemos o resto dor personagens.

Primeiro temos Inej, uma garota Suli, vinda de uma família de acrobatas e vendida como escrava. É Kaz quem a traz para a gangue, é ele quem vê o potencial e o perigo nela e é ele que lhe dá o nome Espectro, para ser temido por todos. Nina Zenik, uma grisha vinda do segundo exército de Ravka, é uma sangradora especializada nas emoções. Matthias Helvar é um Drüskelle, uma ordem de Fjerda especializada em perseguir os Grishas e fazer com que passem por um julgamento justo para pagarem por seus pecados. Temos Jesper Fahey, um Zemeni e atirador de elite. E por fim, mas não menos importante, Wylan Van Eck é filho do comerciante, seu papel é ser um misto de seguro e também ajudar na estratégia do plano que já começa com todos os indícios de poder dar errado.

A sombra de alguma coisa sinistra passou pela expressão de Kaz. “Se fosse um truque, eu prometeria segurança. Eu ofereceria felicidade. Eu não sei se isso existe no Barril, mas não encontrará nada disso comigo.” Por algum motivo, essas palavras a reconfortaram. Melhor verdades terríveis do que mentiras gentis.

    Minha opinião

Que a escrita da Leigh está muito melhor e mais madura, é bem perceptível, ainda que ela não tenha perdido sua essência. O mundo dela é uma delícia de acompanhar, fazia muito tempo que eu não adentrava tanto em uma história a ponto de querer fazer parte efetiva daquilo tudo.

A condução dos acontecimentos começa de forma um pouco lenta, mesmo que já tenhamos sido apresentados as regras gerais dos Grishas, essa nova série se passa em outro lugar do universo, então junta-se àquilo novas inserções e novos olhares.

Além do mais, por se tratar de um primeiro livro, as apresentações devem ser feitas e os personagens devem se apresentar por si só. E, ao meu ver, aí está a mágica da coisas toda. São seis personagens principais e todos têm partes contadas por sua perspectiva em terceira pessoa. Uma história vai se somando a outra, o passado de um ajuda tanto a formar e desconstruir sua opinião sobre um determinado alguém quanto sobre o grupo como um todo. Os personagens são carismáticos e apaixonantes e se somam na história, é legal ver que eles crescem e tem personalidade própria.

Outra coisa que me chamou a atenção várias vezes na história é a capacidade que a autora tem de linkar as coisas, os ganchos que parecem imperceptíveis ganham alguma importância mais na frente dos acontecimentos. Eu não notei furos, achei tudo bem arrumadinho e nada forçado.

six-of-crows
 
Sangue e Mentiras (Six of Crows)
Leigh Bardugo
Editora Gutemberg
376 páginas
Lançamento: 2016
Comprar (Amazon – R$ 26,80)
 
 
 
 

Related Posts

10 Discussion to this post

  1. Luciana Campos disse:

    Oi, Laryssa!
    Tenho muita vontade de ler a Trilogia Grisha, mas paro por aí mesmo… Já tinha visto alguns youtubers gringos comentando sobre esse livro e amando muito, mas pela sua resenha achei muuuita informação de uma vez só, nacionalidades, personagens, terras diferentes; e isso me empaca um pouco em fantasias… Se a autora consegue realmente linkar tudo isso de modo bonitinho, me interessa mais, mas prefiro conhecer a escrita dela pela Trilogia Grisha primeiro e depois esse…

    • Laryssa Tavares disse:

      Luciana,

      Começa pela Trilogia Grisha, porque lá as apresentações são feitas, e é uma ótima série, aí você vem pra esse livro, que acho que vai fazer uma duologia, com tudo mais assimilado. A Leigh me fez admira-la mais, por conta mesmo disso de conseguir linkar tudo, coisas que eu nem lembrava em dado momento que fazia sentido depois. Enfim, espero que tenha uma boa leitura.

  2. Miriã Oliveira disse:

    Nossa, não tinha ouvido falar desse livro até agora, a sua resenha me deixou boba…
    Eu nunca li nenhum livro desse tipo, todos os personagem tem suas batalhas, mas não consegui entender a escravidão é proibida mas a servidão é aceita???

    • Laryssa Tavares disse:

      Miriã, isso mesmo. Todo mundo tem batalhas pessoais, e algumas se encontram ali para um mesmo fim. Se pensar, é isso que nos une na vida também, né? HAHA [/viajando]

      Então, naquela cidade em específico você pode ter contratos de servidão, que te prende a alguém por algum interesse, normalmente o mestre paga alguma dúvida ou empresta algum dinheiro. Porém, a escravidão como a conhecemos não é permitida, ao menos, não legalmente.

  3. camila rosa disse:

    Oi, tudo bom?
    O livro parece ser bom, eu ainda não li a trilogia Grisha, mas tenho curiosidade, espero ter a oportunidade de ler, gosto quando os livros nos fazem sentir parte deles, e também fiquei super interessada em saber como funcionam essas regras dos Grishas.
    Beijos *-*

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi, tudo bom?

      Ah, o mundo é bem gostoso, sabe? E isso de se sentir inserida na história é o que eu mais gosto nisso tudo de ler. Espero que consiga ler em breve.

  4. suzana cariri disse:

    Oi!
    Li a Trilogia Grisha e adorei, por isso assim que soube dessa nova serie da Leigh fiquei bem curiosa para poder acompanhar e gostei muito de saber dessa evolução da escrita da autora, com certeza esse mundo criado por ela e fascinante e estou doida para conhecer os novos personagens !!

    • Laryssa Tavares disse:

      Suzana,

      Muito bom isso, né? Eu gostei muito da Trilogia Grisha, mas sentir a melhora da Lleigh me deixou ainda mais feliz. Os personagens são realmente o carro chave dessa nova série, porque um complementa o outro.

  5. micaela gomes disse:

    Faz um certo tempo que quero ler essa trilogia, ficava vendo os gringos se acabando de falar bem até publicarem o livro aqui. Ainda não li porém a cada resenha que leio fico mais ansiosa para embarcar nesse mundo que a leigh criou.

  6. Laryssa Tavares disse:

    Micaela,

    Eu também fiquei um tempão vendo o pessoal falando e falando, mas como não leio bem em inglês, fui deixando. Aí comprei os três e li um seguido do outro! Essa nova série só veio pra minha felicidade. HAHA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *