O Crime do Vencedor, Marie Rutkoski

Se você leu minha resenha de A Maldição do Vencedor sabe que o livro não alcançou as expectativas que as opiniões de outras pessoas cultivaram em minha mente. Apesar de uma excelente premissa, algumas coisas não funcionaram para mim.

Então, resolvi dar outra chance para o O Crime do Vencedor, segundo livro da série e comprovar se o problema era algo meu. Vale lembrar aqui que é o segundo livro, o que quer dizer que se você não leu o primeiro, pode ser que alguns SPOILERS te peguem aqui.

Kestrel conseguiu junto ao Império a independência de Heran. Os escravos foram libertados, o território não é mais uma colônia e a guerra entre herans e valorianos acabou. A condição é pesada para ela porque tudo tem seu preço: graças ao seu poder de barganha e inteligência, a atenção do imperador é chamada e o casamento de Kestrel e Verex, o filho do imperador, é arranjado.

Vivendo na corte, Kestrel fica ciente dos jogos e manipulações não só dos cortesãos, mas principalmente do imperador, que usa seu poder das mais diversas e sádicas formas para alcançar seus feitos, que faz de tudo uma brincadeira cruel e qualquer fraqueza das pessoas se torna uma arma doentia. Ele vê em Kestrel uma futura imperatriz, por sua sagacidade e inteligência – destrezas que faltam em seu próprio filho – e usa sua estadia na corte para pô-la a prova e exibi-la.

Arin, agora governador de Heran, tem várias coisas com as quais se preocupar: o império cobra impostos impraticáveis, dificultando assim os meios de sobrevivência dos seus. Há também a pressão para frequentar a corte como o representante de seus territórios – com isso, o sentimento de inadequação. O peso da liberdade em seus ombros. E além de tudo, ver a marca dourada na testa de Kestrel, a marca inconfundível de seu noivado com o jovem futuro imperador, fazendo-o sofrer pelo coração partido e o fazendo rever a imagem de tinha de Kestrel construída pelo tempo que conviveram como senhora e escravo.

Quando Arin vai para um dos muitos bailes dados em nome de Kestrel, seu coração o impele a fazer coisas que sua mente questiona, o corpo acaba por ser agente da proximidade proibida. Já Kestrel tem que se manter forte em sua história e intenção com o noivado: ela sabe o preço de seus sentimentos, a força que carregam de verdade, e não pode permitir que Arin descubra do que abriu mão para que Heran vivesse em paz e restaurasse seu antigo esplendor.

Ao descobrir como o império tem tratado o território de Heran e seu povo, Kestrel usa de seu relacionamento com o ministro de Heran para espionar em favor deles. Enquanto isso, sabendo que algo está errado, Arin parte para buscar aliados com o mesmo propósito que ele: fazer o império pagar pelo sofrimento infringido.

Seu papel como agente dupla é perigoso, não só para ela, mas também para os que ama, mas sua posição no império a coloca nos lugares certos para descobrir os podres da nobreza e ouvir conversas que acabam se conectando em um plano engenhoso e desumano para destruir de uma vez todos o que eles veem como uma praga.

    Minha opinião

A expectativa já se provou muitas vezes como inimigas nas experiências que temos. Iniciei a leitura desse livro sem esperar muito, mais para ver mesmo se eu estava errada sobre as possibilidades que o primeiro livro nos trouxe.

A narrativa de Rutkoski continua ótima, fluida e fácil de se envolver. Ela coloca os acontecimentos da forma como tem que ser e nos transporta para eles de forma muito vívida. A ambientação e o mundo que ela imaginou, são outro ponto positivo sobre o livro, porque enquanto nos lembra de tempos antigos, nos leva a acreditar em coisas novas e empolgantes. Os personagens são muito bem construídos, críveis e cativantes.

Nesse livro o romance está presente, os protagonistas estão apaixonados afinal. Porém, senti que isso foi nos passado de forma mais comedida. Ainda que muitas ações sejam ditadas em nome de sentimentos fortes de ambos, foi mais convincente, porque houve provações intensas, e o lugar político e sua intencionalidade tem muito mais força, no fim das contas. O amadurecimento deles, mesmo que forçados àquilo, os coloca em posições em que não sonharam desde o início, mas que lidam conforme acontecem, evoluindo a cada página.

 
O Crime do Vencedor (The Winner’s Crime)
Marie Rutkoski
Plataforma21
360 páginas
Lançamento: 2016
Comprar (Amazon – R$ 31,50 em 09/02/2017)
 
 
 
 

* ESTA RESENHA PARTICIPA DO TOP COMENTARISTA DO MÊS DE FEVEREIRO*

Related Posts

12 Discussion to this post

  1. Alison disse:

    Olá, não conhecia essa série mas pelos temas que são abordados dá pra ver que o que não falta é ação e momentos de tirar o fôlego. Beijos.

    • Laryssa Tavares disse:

      É sim, os temas são interessantes, e a leitura é agradável. Esse segundo livro melhorou bastante, ao meu ver. Estou esperando o desfecho em breve.
      Beijos.

  2. Larissa Costa disse:

    Nossa, achei a temática muito interessante, apesar de que não faz muito o meu estilo de leitura, mas eu compraria 🙂

  3. Adriana Holanda Tavares disse:

    Parece que o livro vai crescendo e ganhando novos ares, novos problemas e coisas assim. Fico imaginando no que deu essa história e como deve ser ler e acompanhar a trajetória desses personagens. Acho que iria gostar bastante de ler. A série parece valer a pena, mesmo que tenha uma ou outra coisa que caia no clichê ou não agrade totalmente.

    • Laryssa Tavares disse:

      Olha, depois de ler esse livro, fiquei mais esperançosa com a série. Talvez tenha sido a expectativa que atrapalhou, mas estou ansiosa para o final.

  4. Lara Caroline disse:

    Oi Laryssa, tudo bem?
    Não li nenhum dos livros ainda, então li a resenha com cuidado para não pegar spoilers hehehe
    Que bom que a autora evoluiu nesse outro livro da série, é muito bom quando a escrita vai crescendo ao longo dos livros.
    Quero muito ler.
    Beijos

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Lara, tudo bom e com você?
      É bom mesmo ver essa evolução. Normalmente é o segundo livro que acaba decaindo, mas nesse caso ele melhorou bastante. Espero que o terceiro seja o ponto alto da série.
      Beijos.

  5. Thaynara ribeiro disse:

    Como não conhecia o primeiro livro fiquei meio perdida na resenha rsrs
    Da parte que entendi faltou algo para me prender… Nunca li nenhum livro ambientado em guerras ou batalhas e pode ser interessante

  6. Oi Laryssa, tudo bem?
    Alerta de spoiler né hehehe não li a resenha por isso tá.
    Vou dar uma olhadinha na resenha do primeiro livro – você até deixou o link né 😀 – e ver se a história chama minha atenção.
    Beijos

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Priscila, tudo bom e com você?
      Marquei o spoiler e falei que era o segundo livro dá série até por isso mesmo. Eu não costumo me importar com spoiler quando procuro por ele, mas sei que é extremamente desagradável quando ele vem com tudo na sua cara. HAHA Veja sim a resenha de “A Maldição do Vencedor”, lá eu falei que algumas coisas não me agradaram, mas que continuo a série por outros motivos.

      Beijos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *