Belas maldições, Terry Pratchett & Neil Gaiman

De acordo com as justas e precisas profecias de Agnes Nutter, bruxa (o único verdadeiro livro de profecias, escrito em 1655, poucos antes de ela explodir), o mundo vai acabar em um sábado. No sábado que vem, para falar a verdade. Pouco antes da hora da janta. Vem saber mais sobre Belas madições, de Terry Pratchett & Neil Gailman:

No começo do livro descobrimos que o anjo Aziraphale e o demônio Crowley se tornaram muito confortáveis com suas vidas na terra. Eles estão aqui desde o começo de tudo e tiveram suas participações em vários acontecimentos da história da humanidade. Embora sejam representantes do céu e do inferno, criaram um laço com a raça humana e se acomodaram com suas vidas terrenas. Então quando o apocalipse é confirmado, ambos ficam um pouco desapontados.

Aziraphale deixou de lado seus assuntos com a espada flamejante e agora é dono de um sebo, cujos livros jamais são, de fato, vendidos, o que o mantém felizmente ocupado enquanto aguarda pelo juízo final. Já Crowley ocupa seus dias fazendo pequenas maldades que parecem inofensivas, mas acabam por tomar proporções enormes. Sua maior conquista foi mover uma rua e criar uma encruzilhada infernal, que sempre atormenta todos que a cruzam. Crowley esteve presente no nascimento do anticristo e acompanhou tudo para que ele fosse para a família combinada.

Só porque é uma noite tranquila, não significa que forças negras não estejam à espreita. Elas estão à espreita o tempo todo.

No momento certo a criança deveria assumir sua vocação e liderar o fim do mundo. O plano falha quando, no aniversário de 11 anos dele, Warlock, o cachorro que deveria aparecer para selar o pacto não aparece e Aziraphale e Crowley percebem que estavam atrás da criança errada o tempo inteiro. O verdadeiro anticristo está morando em um vilarejo em Lower Tadfield. Criado por pais comuns, Adam é uma criança comum com um grupo de amigos comuns. Quando a besta feroz aparece pra ele, ele a transforma num cachorro pequeno e o apelida de Cão.

Seria um mundo muito esquisito, refletiu ele, se os demônios passassem a confiar uns nos outros.

natureza humana, livre arbítrio, bem, mal, poluição, religião, anjos, demônios, anticristo, apocalipse, Aziraphale, Crowley, belas maldições, neil gaiman, Terry Pratchett

Enquanto Aziraphale e Crowley correm contra o tempo e seus respectivos lados para encontrar o verdadeiro anticristo e acabar com o fim do mundo, outras forçar estão se juntando. Ao mesmo tempo, a jovem bruxa Anathema estuda as profecias de sua antepassada Agnes e tenta descobrir o que significam. A antiga feiticeira havia afirmado que o mundo acabaria em um sábado, para ser precisa, no próximo sábado.

Ofereça às pessoas um novo credo com um uniforme, e seus corações e mentes seguirão.

Minha opinião

Tenho que avisar que não estou familiarizada com a escrita de nenhum dos autores. E não é por falta de vontade: já tive vários livros do Neil Gaiman na lista de leitura e acabei deixando de lado por falta de tempo. Mas me dei muito bem com a escrita deles, me diverti bastante, soltei várias gargalhadas e me adaptei fácil. O humor sarcástico deles me lembrou as antigas crônicas do Luis Fernando Veríssimo e até do Keith Stuart, autor de O menino feito de blocos. A história é envolvente, a escrita impressionante, e os personagens adoráveis.

No decorrer do último milênio, houve momentos em que sentiu vontade de enviar uma mensagem lá pra baixo dizendo: escutem, que tal a gente desistir de tudo agora? Não há nada que possamos fazer que eles já não façam por conta própria, e eles fazem coisas que nós nem sequer pensamos. Eles têm o que não temos. Eles têm imaginação. E eletricidade, é claro.

natureza humana, livre arbítrio, bem, mal, poluição, religião, anjos, demônios, anticristo, apocalipse, Aziraphale, Crowley, belas maldições, neil gaiman, Terry Pratchett

Aziraphale e Crowley são minha dupla literária favorita. Em teoria, eles deveriam ser inimigos mortais – ou melhor, imortais. No entanto, eles têm lidado calmamente com seus negócios aqui na Terra desde o início da criação e vivido em harmonia. Conseguiram me arrancar várias risadas. Belas maldições é uma história irreverente e diferente de tudo o que já li. Se você está a procura de uma leitura com um humor inteligente e devaneios sobre o bem e o mal, este é o seu livro.

Ser um demônio, claro, deveria poder significar que você não tenha livre-arbítrio. Mas não se podia andar entre humanos por tanto tempo sem se aprender uma coisinha ou outra.

teste
 
Título: Belas maldições (Good Omens)
Autor: Terry Pratchett & Neil Gaiman
Editora: Bertrand (Grupo Editorial Record)
Número de páginas: 376
Lançamento: 2017 (nova edição)
Comprar (Amazon – R$ 34,30)
 
 
 
 

* Este livro foi enviado pela editora do mesmo. A política do blog é de sempre fazer resenhas sinceras, independentemente de como o livro chegou até nós. A opinião relatada aqui veio da experiência literária da autora do post e não sofreu nenhuma influência que não tenha sido explicitada na resenha.

* ESTA RESENHA PARTICIPA DO TOP COMENTARISTA DO MÊS DE MAIO *

Juliane Oliveira

Gosto de distopias memoráveis e contemporâneos que não sejam desnecessariamente tristes. Não sou muito fã de dias chuvosos ou frios. Apaixonada por séries, livros, filmes e pets no geral.

Related Posts

2 Discussion to this post

  1. Dai Castro disse:

    Eu solicitei esse livro para parceria e fiquei muito feliz por ele já ter chegado lá em casa, estou cheia de vontade para ler, já li algumas obras dos dois autores então as minhas expectativas estão bem altas! Acho que é uma obra que vai me agradar bastante haha
    Beijos! ♥
    Colorindo Nuvens

  2. Larissa Costa disse:

    Haha com certeza se eu fosse um anjo e tivesse que viver na Terra eu seria dona de um sebo, tem coisa melhor? huehueue não né
    Se eu me diverti tanto com a resenha, imagina só com o livro!
    Adorei adorei!! Com certeza está na minha lista agora.
    Beijos 😘

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *