Quando tudo faz sentido, Amy Zhang

Liz Emerson decide que vai morrer. Ela decide que vai colocar fim a sua existência em uma dia muito específico, e cabe a nós acompanharmos os dias que precedem a esse fato. Uma narrativa que vai e volta no passado, mostrando que Newton estava certo quando diz que toda ação tem sua reação. Liz, mais do que qualquer um, parece entender que tudo deixa a sua marca.

É difícil mentir quando a verdade está morrendo na sua frente.

A angústia e o desespero podem ser ingredientes poderosíssimos para uma pessoa com problemas como ansiedade e depressão. Liz é atenciosa aos detalhes do planejamento de sua morte e coloca a física em ação para que seu acidente consiga alcançar aquilo que deseja no seu íntimo. Não há mensagens, ela só quer que pare. Ela só quer deixar de existir.

Contudo, sempre sentia que estava perseguindo alguma coisa quando corria, algo invisível que ela nunca alcançava. Parecia que estava brincando de pique-pega consigo mesma, e Liz detestava pique-pega.

Ela é uma garota popular e usa o poder que isso lhe dá para praticar coisas que não são tão legais assim. A energia que gasta sendo desagradável é gigantesca, e mesmo suas melhores amigas – Julia e Kennie – não conseguem alcançar completamente o melhor dela. Porque o ensino médio é brutal, os assédios, as agressões, as frustrações e os medos a deixaram anestesiadas, trancando dentro de si um pedido de ajuda que deveria ter vindo quando seu pai morreu.

Todo mundo conhece Liz, mas nem todo mundo a conhece. A escola toda fica muito sensibilizada, mas o que mais se observa é o medo da morte. Sua mãe, que começou a trabalhar mais e mais depois da morte do marido, vê sua filha, a única pessoa que lhe resta no mundo, e passa a refletir sobre quem ela e sua filha se tornaram. As amigas, Julia e Kennie, em choque, também percebem que nem tudo é o que parece, que de vez em quando não dá pra ser tão autocentrada.

Liam, vê o carro de Liz. É ele quem chama por ajuda, ele que fica ali para que Liz possa talvez ser salva. Ele quer muito que ela seja salva. Liz não foi boa com ele no passado, ele sabe que ela não foi boa com muita gente, mas uma grande parte dele acredita nela e gostaria que ela acreditasse também. Porque assim, só assim, ela poderia ser salva: ela é a única capaz de ser salvar naquele momento.

Eu a vi gravar seus erros em pedras, que se arranjaram ao redor dela e se tornaram um labirinto que ia até o céu. Como aprendeu com tão poucos dos erros, ela estava perdida. Como não tinha fé em nada, não tentava encontrar saída.

Amy Zhang, Acidente, Leis da física, Leis de Newton, Suicidio, Desespero, Superação, Amigos, Família, Enfrentar problemas

    Minha opinião

A narrativa de Amy Zhang é bem intensa, ainda mais com o tema abordado. Suicídio é algo sério! O que leva uma pessoa a sequer cogitar a possibilidade de tirar a própria vida não deve ser tratado de forma leviana, a literatura tem uma papel importante de comunicar aos leitores e se ligar a eles, passar a mensagem de que há esperança e incitar a ideia de buscar ajuda é muito importante.

A Liz é uma personagem difícil de gostar, a história dela é uma sucessão de marcas e a Amy soube trabalhar isso. Tudo é narrado por alguém que olha de fora, por alguém que sabe mesmo quem Liz é e acredita dela, o narrador a conhece desde a época em que havia pureza e honestidade, e usa de flashbacks para contar para gente como a garota chegou a ser quem é, como tudo que acontece em nossa vida realmente muda quem somos.

Eu não esperava gostar tanto do livro, eu nem sabia muito bem o que esperar da história, foi uma boa surpresa. Sou uma defensora de que assuntos sérios devem ser tratados com os jovens desde novos. Ler sobre o que se passa em vidas ficcionais e se identificar de alguma forma traz a capacidade de empatia, de conseguir se por no lugar do outro e ir encontrando formas de lidar com a vida. Se você está passando por algumas situações difíceis, é bom dizer que esse livro pode conter algum gatilho.

 

Amy Zhang, Acidente, Leis da física, Leis de Newton, Suicidio, Desespero, Superação, Amigos, Família, Enfrentar problemas
Título: Quando Tudo Faz Sentido (Falling Into Place)
Autora: Amy Zhang
Editora: Rocco
Número de páginas: 320
Lançamento: 2017
Comprar (Amazon – R$ 30.99 em 23/06/2017)
 
 
 

* Este livro foi enviado pela editora do mesmo. A política do blog é de sempre fazer resenhas sinceras, independentemente de como o livro chegou até nós. A opinião relatada aqui veio da experiência literária da autora do post e não sofreu nenhuma influência que não tenha sido explicitada na resenha.

* ESTA RESENHA PARTICIPA DO TOP COMENTARISTA DO MÊS DE JUNHO *

 
 
 

Related Posts

2 Discussion to this post

  1. Clayci disse:

    Nossa eu não imaginava que esse livro fosse tão “pesado”>
    Confesso que quando comecei a ler eu lembrei de Perdão Leonard Peacock.
    Fiquei com vontade ler <3

  2. Janaina silva disse:

    Tenho muito medo que livros assim que falam sobre o suicídio, realmente sirvam de gatilho para quem tem algum tipo de problema psicológico.
    Tem que se ter muito cuidado e responsabilidade, ao escrever um livro do gênero.
    Eu gostaria muito de ler. E fiquei também curiosa em saber se a Liz conseguirá sair ilesa dessa situação e melhor como pessoa. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *