Fãs do Impossível, Kate Scelsa

Mira, Sebby e Jeremy são três adolescentes com mundos e histórias muito diferentes. Cada um tem uma carga a mais para carregar, problemas sufocantes para pessoas tão jovens e dificuldades de inserção na vida que esperam que eles tenham. É por acaso, alguma peça do destino tão irônico, que eles se conhecem, que eles se tornam tão essenciais um na vida do outro. E então, é dessa forma que a amizade se mostra: forte e um pouco imprevisível.

Jeremy é um garoto tímido, recluso dentro de si. E isso piorou um pouco antes de o ano letivo anterior acabar. O garoto acaba ficando afastado, se fechando mais ainda com medo do que o mundo pode causar nele. As pessoas são más, e não é todo mundo que é capaz de lidar com elas. Ao voltar as aulas seu professor de inglês, Peter, sugere que ele crie um Clube de Artes. Um lugar onde ele possa ficar desenhando depois das aulas e de quebra ganhar créditos para entrar em alguma faculdade. Tudo o que ele precisa é de algumas assinaturas.

Mira é uma garota nova naquele mar de rostos tão conhecidos. Todos parecem iguais, com seus uniformes e falta de adorno. No primeiro dia, ela já sente falta da personalidade que suas roupas de brechó conferem a ela, sente falta da cobertura que as histórias que suas roupas contam proporcionam. Mudar para aquela escola é uma forma de aproveitar todo seu potencial, é a maneira que seus pais pensaram para fazê-la ser parte da sociedade novamente.

Sobreviver a si mesma era uma vitória agridoce. Significa que uma parte sua havia perdido. […]

E Sebby, finalmente, é o melhor amigo de Mira. Ele frequenta a escolha estadual — ao menos está matriculado nela — e vive com sua mãe e irmãos adotivos. Ele conhece Mira em uma clínica psiquiátrica, quando um era o porto seguro do outro, pareciam ser os únicos a se apoiar indefinidamente. Sebastian teve que aprender a se virar, e aprendeu com muitas dores pela vida que não pode contar com ninguém, que a vida não é tão fácil e bela assim.

Os três se juntam graças ao Clube de Artes. Mira assina o formulário apenas para ajudar Jeremy, sem pretensão nenhuma, mas quando o Clube se torna uma realidade, Sebby a convence a participar e a levá-lo com ela. Jeremy os admira e algo neles o puxa, e então que três pessoas machucadas + o convívio diário são os responsáveis por criar laços de amizade que parecem indissolúveis, eternos e cheios de amor. A vida é algo sensível, os sentimentos são confusos, e todos eles passam por coisas demais e nem sempre conseguem lidar. Acompanhamos um período da amizade, quando vida está tentando florescer das rachaduras e rega-la é só mais uma tentativa.

    Minha opinião

Peguei esse livro sem esperar nada dele. Foi um daqueles que me chamou atenção pela capa e só, eu nem procurei muito sobre o que ele dizia e nem nada, só li quando achei que era o momento certo para ele. Primeiro, a escrita da Kate é muito gostosa de ler, você vai lendo, lendo e entrando na história. Segundo, Mira é uma personagem intensa, cativante, profunda — a melhor desse livro! E aliás, eu estou sempre em busca de livros que tragam diversidade, e esse consegue alcançar uma gama muito boa em diversos aspectos.

A amizade tem um papel importante na história, mas as pequenas tragédias são tipo uma cola para eles. Os assuntos abordados são de extrema importância na vida de qualquer um, principalmente quando temos em mente que o público alvo desse livro é o jovem em formação. A homofobia, o bullying, a depressão, abandono e drogas são assuntos que devem ser discutidos e destabulizados, para que todos se sintam acolhidos para falar de seus problemas, para buscar ajuda e conseguir enxergar que nesse mar de gente, não estamos sós.

O livro todo tem uma construção única, intensa, com ideias muito boas, passagens ótimas, mas a autora perdeu um pouco a mão no final. E por conta disso, porque ela não conseguiu segurar o fôlego, perdeu uma estrela comigo. Eu acredito que ela quis mostrar algo mais realista, passar a ideia de que nem tudo pode ser do jeito que a gente quer, mas acredito que ela escolheu uma forma complicada de trabalhar — ou não estávamos preparados, ou ela deixou a desejar (ambos válidos).

Kate usa de narração em primeira, segunda e terceira pessoa. Achei o uso criativo, dando visões diferentes que combinam com as características dos personagens. Como se várias pessoas olhassem e narrassem, como se pudesse ou não ser o mesmo narrador.

Título: Fãs do Impossível (Fans of the Impossible Life)
Autor: Kate Scelsa
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 366
Lançamento: 2016
Comprar (Amazon – R$ 23,90)

 
 
 
 

* ESTA RESENHA PARTICIPA DO TOP COMENTARISTA DO MÊS DE AGOSTO *

Related Posts

16 Discussion to this post

  1. Thais disse:

    Pra mim parece uma história meio adolescente com aquela pitada de amizade e ensinamentos . Resenha muito bem feita . bjus

  2. Janaina silva disse:

    Oi,fico aqui imaginando o turbilhão de emoções que se passa com jovens com problemas nessa idade. Onde tudo parece ser mais complicado,e onde a personalidade ainda está em formação.
    E como sempre, fico com muita pena dos personagens nessa situação . Pois sei que a vida real pode ser muito mais cruel.
    Mas o que achei válido, é a aproximação dos três.
    Eles precisavam uns dos outros ,,, E se uniram não é? 😉

    E sim!
    Gostaria de poder conferir essa história. Deve ser emocionante!

    • Laryssa Tavares disse:

      Janaina, a vida não tende a ser tão fácil, né? Gosto desses livros que trazem personagens com vidas mais próximas do real. Eu fico tentando me colocar no lugar deles e é sempre um desafio, mas como você, fico com dó também.

  3. Clayci disse:

    Senti que ao ler a gente precisa prestar bastante atenção nos detalhes, parece ter uma carga emocional muito grande, né?
    Eu fiquei curiosa e com vontade de ler e entender a amizade entre eles =D

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Clayci, a carga é grande mesmo, até mesmo porque fala sobre problemas muito sérios né? Queria que autora tivesse trabalhado um pouquinho melhor no final., mas tudo certo até aqui. HAHA

  4. Lara Caroline disse:

    Oi Laryssa, tudo bem?
    Eu vi este livro e fiquei bem curiosa para conhecer esta estória. O que me chamou atenção foi a capa, mas os assuntos abordados são tão importantes que me deixaram louca por este livro. Adoro livros que trazem amizades fortes e problemas do cotidiano, porque é o que a gente vive todos os dias.
    Beijos

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Lara, tudo bom?
      Sim, esse livro tem isso que você gosta mesmo, e a capa é muito bonita também, achei que dá um clima ótimo e foi a primeira coisa que me chamou atenção. Quantos aos assuntos, acho que quanto mais abordarmos, mais a chance de entendermos outras realidades.
      Beijos.

  5. Pamela Liu disse:

    Oi Laryssa.
    Não me interessei pela história, porque parece um pouco infanto-juvenil para mim e no momento não estou na vibe para ler esse tipo de livro.
    Mas, acho que é válido para aqueles que gostam desse tipo de livros ou para adolescentes que se identificam com essa etapa da vida escolar.
    Achei bem interessante a narrativa ser em primeira, segunda e terceira pessoa. Acho que nunca li nada assim.
    Bjs

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Pamela, eu entendo como é. Se a gente não tá na vibe, nem adianta forçar. Eu gosto da simplicidade que narrativas jovens possuem para mostrar assuntos mais complexos, sabe?
      Beijos.

  6. Franciele Débora disse:

    Oi,
    Acho super importante a abordagem de temas que são tabus ainda hoje.
    O livro tem uma premissa bem interessante, mas não sei se o leria no momento pois tenho muita coisa parada aqui.
    Beijos.

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Franciele,
      acho que é isso mesmo, a ideia de que livros simples podem fazer as pessoas terem contato com os mais diversos problemas é interessante.
      Beijos.

  7. André dos Santos disse:

    Antes de ler sua resenha estava igual você cita, sem saber muita coisa do livro apenas ter visto a capa uma ou duas vezes, não imaginava que continha mensagens tão importantes e a importância de amizades durante a adolescência para enfrentar os problemas e ter com quem poder e também poder ajudar que é o que acontece com os 3 personagens.
    A aproximação deles foi algo natural, parece que não foi forçado e isso é um ponto positivo para a autora, com o Clube de Artes dá pra trabalhar várias premissas, confesso que apesar de não ser muito fã de livros juvenis, esse acabou despertando minha curiosidade, uma pena o final não ser muito bom, mas acredito que o restante do livro valha a pena.

    • Laryssa Tavares disse:

      A amizade deles veio bem natural mesmo, o que me agrada. E um sendo suporte do outro é algo que a gente acaba se identificando, ainda mais porque a adolescência é uma fase tão complicada da vida, com tudo novo acontecendo.
      O Final deixou a desejar, mas até ali achei tudo muito bom mesmo.

  8. Nara Sabrina disse:

    A adolescência é uma fase complicada para os jovens, é um turbilhão de sensações e emoções , e enquanto muitos querem agarra o mundo de uma vez só, outros se sentem retraídos e perdidos. Acredito que a autora abordou temas e situações muito importantes, que muitos jovens já passaram e ate nos mesmos já passamos, esses três jovens tao diferentes devem ter ensinado muitas coisas um ao outro e com certeza devem ter servido de apoio um ao outro, a amizade é muito importante, não só na adolescência mas durante todas as fases da vida,

    • Laryssa Tavares disse:

      Adorei seu comentário, acredito que é isso mesmo. Esse livro pode servir de guia para muita gente, pode ser um porto seguro, porque muitas vezes tudo que a gente precisa é saber que não estamos sozinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *