Minha Vida (não tão) Perfeita, Sophie Kinsella

Minha vida não tão perfeita, Sophie Kinsella, Londres, Sonho, Gampling, Katie

Cat sempre teve o sonho de morar em Londres em um apartamento confortável, trabalhar no que ama e aprender sempre mais, se sentir glamourosa no caminho para o trabalho e ainda ter vários amigos com quem tomar drinques depois do expediente. É uma vida atraente, um sonho que a moça sempre se empenha em tornar realidade, mas, a realidade é um pouco diferente. Cat já percebeu que o caminho é um pouco mais longo do que previa, e os desafios mais complicados de transpor.

Katie percebeu que precisava mudar quem é para conseguir a vida que quer em Londres. Ela se forçou a perder o sotaque do interior, mudou o visual — o que implica fazer uma chapinha todos os dias e estar sujeita às alterações climáticas constantes — e mudou seu nome para Cat, algo que ela julga moderno, mas ainda difícil de se acostumar. Tudo isso para ser a pessoa que ela acredita que fará com que conquiste a vida que almeja na cidade.

A agora Cat, trabalha como assistente de pesquisa em uma empresa chamada Cooper Clemmow especializada em marketing. A chefe imediata de Cat é Demeter, uma mulher intensa e bastante complicada, que parece fazer a vida de todos um verdadeiro inferno. Não há ninguém no escritório todo que não sinta a pressão no ar sempre que a mulher está por lá. Cat absorve todo o conhecimento que pode com Demeter, mas tudo tem seu custo, e ela se sente diminuída e longe de ter sua chance de reconhecimento — ainda mais porque todos os emails que manda para Demeter com novas ideias são ignorados.

No âmbito particular, Cat deixou seu pai e a madrasta no interior, em sua cidade natal. Ele tem sempre ideias estapafúrdias de algo que pode finalmente fazê-lo ganhar uma bolada, coisas que nunca vão adiante. Apesar disso, Mick foi um pai carinhoso e protetor, antes eram só os dois no mundo todo, e esse laço coloca um peso grande na decisão de Cat de estar longe dele. Biddy, a madrastra, é uma mulher centrada, que conquistou seu espaço na família sabendo respeitar, sendo íntegra, alegre e de companhia mais do que agradável. Eles são tudo o que a moça tem, sempre dizendo sobre o quanto se sentem orgulhosos e animados por ela, e é por isso que Cat sente que deve mascarar a realidade.

Para começar, ela morar longe demais do trabalho, as pessoas com quem divide o apartamento são estranhos, seu quarto mal cabe uma cama, e seu orçamento é extremamente reduzido e ela não tem realmente amigos ali. Ela conta pequenas alterações de tudo isso, inventa certas desculpas e posta fotos que contam uma outra história no instagram até que tudo parece estar indo na direção certa, mesmo que lentamente: ela conhece um homem atraente e inteligente, consegue participar de uma reunião onde tem sua ideia ouvida e finalmente é convidada para participar de almoços secretos que suas colegas de trabalho organizam todas as quartas.

Cat sorri diante daquele vislumbre, sorri com as possibilidades que a cercam, com os pequenos frutos que está colhendo com o trabalho. Até seus pais em casa planejam criar o projeto de um Glamping que tem tudo para dar certo se seguirem as instruções que ela dá de acordo com a experiência que ela tem em marketing e com o público que esperam conquistar. Tudo está indo de vento em poupa, até que Cat é demitida e precisa achar formas de se reestruturar.

    Minha opinião

Sophie Kinsella tem o dom de escrever histórias leves, que te prendem do início ao fim. Comigo é sempre assim, pego um dos livros dela, me impressiono com o número gigantesco de páginas, mas um ou dois dias depois já terminei a leitura. Então, claro, fiquei feliz de ter a oportunidade de ler mais um dos livros dela.

Depois de ler tudo o que ela tem publicado aqui, a receita de suas histórias já me é muito familiar e pouco me surpreende, sei bem como vai terminar tudo para todo mundo, mas o recheio que ela usa quase sempre me agrada, me arranca sorrisos discretos ou risadas mesmo. Depois de “A Lua de Mel”, que foi desapontante, senti uma volta ao que clima que tanto me agradava em livros como “Lembra de mim?” ou até mesmo “Fiquei com o seu Número”. O romance está ali, o crescimento da personagem está também — ainda que eu não concorde com todas as ações dela — e a comédia, me agrada muito o humor que a Sophie usa.

A personagem principal não é minha favorita, mas eu acho que ela representa bastante, ainda mais porque a narrativa é em primeira pessoa e vemos especificamente a versão dela do mundo. Ela carrega suas inseguranças, mostra a diferença da vida que mostramos e a vida que temos, e acredita muito que a vida dos outros é realmente aquilo que eles mostram — ainda que ela mesma refute essa ideia pela forma como age. Os personagens secundários são ótimos, adorei principalmente a Demeter, porque eu já carrego em mim maior apreço pelos vilões mesmo.

Resumindo, é um livro leve, engraçadinho, que vai te trazer um bom tempo lendo, mas não é um livro cheio de sabedoria e profundo em sentimentos. Você tira uma mensagem aqui ou outro ali, mas é só.

Minha vida não tão perfeita, Sophie Kinsella, Londres, Sonho, Gampling, Katie

Título: Minha Vida (não Tão) Perfeita (My Not So Perfect Life)
Autor: Sophie Kinsella
Editora: Record
Número de páginas: 406
Lançamento: 2017
Comprar (Amazon – R$ 24,02)

 
 
 
 

* Este livro foi enviado pela editora do mesmo. A política do blog é de sempre fazer resenhas sinceras, independentemente de como o livro chegou até nós. A opinião relatada aqui veio da experiência literária da autora do post e não sofreu nenhuma influência que não tenha sido explicitada na resenha.

* ESTA RESENHA PARTICIPA DO TOP COMENTARISTA DO MÊS DE AGOSTO *

Related Posts

12 Discussion to this post

  1. Janaina silva disse:

    Olá,acredita que nunca li nenhum livro da autora?
    Não por falta de vontade. Já que sempre leio elogios sobre os seus livros. Principalmente em relação ao ” Fiquei com o seu Número”.
    E quanto ao livro que resenhou,fiquei surpresa!
    Pois não sabia sobre o livro.
    A história me lembrou um pouco o filme ” O Diabo veste Prada”.
    As atitudes da Cat me lembraram um pouco da personagem do filme. Que até deixou seus amigos de lado por um tempo.
    Bem,adoro livros que me fazem sorrir,como esse te fez.
    Ler histórias leves ,mas com conteúdo,sempre são bem vindos. 😉

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi Janaina!
      Eu adoro a autora bem por isso, por sempre contar com um romance que a gente torce, um humor inteligente e sorrir um pouco. E, eu também adoro o fato de que se passa em Londres. Por essas coisas, eu relevo alguns problemas que a Sophie precisa repensar, mas acho que ela tá no caminho mais do que certo.
      Você tem razão, esse livro tem mesmo uma vibe meio “O Diabo veste Prada.”

  2. Lara Caroline disse:

    Oi Laryssa, tudo bem?
    Nunca li nada da autora, mas acho que deve servir como uma distração e ajuda a sair de ressacas literárias. Acho o enredo bem sessão da tarde, mas parece engraçadinho.
    Talvez um dia eu leia.
    Beijos

    • Laryssa Tavares disse:

      Lara, eu acho que a ideia é essa mesmo, esse é aquele livro despretensioso que fica na sua lista esperando 0 momento certo pra ler.
      Beijos.

  3. André dos Santos disse:

    Eu li outras resenhas desse livro e a maioria disse que não é um dos melhores da autora, eu nunca li nada da mesma e por isso não tenho uma opinião formada, mas esse não é meu gênero favorito de leitura.
    A ideia é bacana de ser um livro leve, com humor e romance, mas parece que a personagem leva tudo muito pro pessoal e que Demeter não é tão carrasca assim, pelo menos acredito que seria a única personagem do livro que eu gostaria se lesse, a mudança de nome e tudo que Cat faz não me convenceu de como sendo realmente necessária por isso não pretendo ler, mas fico feliz de que não tenha te decepcionado.

    • Laryssa Tavares disse:

      Oi André,
      realmente, esse não é o melhor da Sophie, mas o último que lançou aqui me deixou tão, mas tão decepcionada que acabei me sentindo bem feliz de ver que ela não errou tanto a mão nesse, entende? A Demeter é ótimo, acho que foi o melhor personagem construído nesse livro.

  4. Nara Sabrina disse:

    Eu amo os livros da Sophie Kinsella, o meu preferido é fiquei com seu número, eu ri muito com aquele livro, amei!
    Esse livro está na minha lista, assim como todos os livros da Sophie, tenho certeza que esse não vai me decepcionar, to curiosa para conhecer a Katie e o Demeter

    • Laryssa Tavares disse:

      Nara, eu adoro quase todos (na verdade, nunca li a série da Becky Bloom) e achei péssimo “Lua de Mel”, também não curti os livros que li dela assinando como Madeleine Wickham, você já leu? Acho que vai curtir esse livro dela.

  5. Dai Castro disse:

    Esse livro está na minha lista de leitura, provavelmente vou conseguir pegar para ler ainda esse mês e me anima ler uma resenha tão positiva. Será a minha primeira experiência de leitura com a Sophie Kinsella, estou com grandes expectativas, apesar de não se o tipo de livro que pego para ler com muita frequência!
    Fiquei curiosa quanto a essa chefe “vilã” e o fato de a história ter como plano de fundo a linda Londres, só desperta mais a minha atenção!
    Beijos!

    • Laryssa Tavares disse:

      Dai, Olá
      Esse não é o melhor livro dela, acho que pode ter uma leitura positiva, depois pega pra ler “Fiquei com seu número” ou “Garota de vinte”, adoro esses.
      Demeter é uma boa personagem, sem dúvida.
      Beijos.

  6. Thais disse:

    O que falar da Sophie? Ela e maravilhosa. Esse livro dela nao li ainda, amo as pegadas divertidas dela. Livros muito gostosos de se ler . Amei a resenha .

  7. Franciele Débora disse:

    Olá, adorei o fato que o livro é lindo mesmo com o romance ficando em segundo plano. Já li alguns livros dessa autora e sempre dou boas risadas. Espero que aconteça o mesmo com esse livro.
    Ansiosa pra ler. Beijos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *