Minha Lady Jane, Brodi Ashton, Jodi Meadows e Cynthia Hand

Minha Lady Jane, Romance, Histórico, Inglaterra, Monarquia, Comédia, Jane Grey, Edianos, Verdáticos, Gifford, Eduardo VI, Moléstia

O Rei Eduardo VI está doente, muito doente. Para ser mais precisa, ele vai morrer na mais otimista das projeções em algumas semanas. Ele é jovem, e parecia ter todo um futuro pela frente, ainda com tanto a realizar, tantos desejos que um jovem na puberdade ainda não pôde realizar e claro, a Inglaterra a governar e prosperar. Mas nada vai se realizar, porque Eduardo está com a Moléstia, e uma coisa é certa: a pessoa apropriada deve ser indicada, já que ele ainda não foi capaz de gerar um herdeiro varão.

Isso não é um spoiler, são fatos. É histórico que o Rei Eduardo VI subiu ao trono muito cedo, e que muito cedo também é precisamente o tempo em que morreu. O que não nos contaram nos livros de história é que havia, naquele tempo, uma luta constante entre verdádicos — uma galera contra pessoas diferentes que eles não entendem e temem — e os edianos — as pessoas diferentes temidas, que por ventura se transformam em animais. Eduardo, já nas últimas, se sentindo cada vez mais cansado, tinha que decidir quem colocar no trono, seu conselheiro Lorde Dudley lhe confirmou que a família Grey, seus primos, eram os próximos na linha de sucessão e que Lady Jane Grey, sua querida prima, seria uma ótima opção para a monarquia. E como um homem digno, honesto, preocupado com o bem de todos, Lorde Dudley ofereceu seu filho mais novo, o nobre Gifford, para se casar com a moça e assim gerar uma porção de crianças reais.

Jane, quando ficou sabendo de tudo, não ficou muito entusiasmada. Claro que houveram outros noivados, e claro que ela achou que esse seria só mais um. Os muitos livros que ela leu mal lhe contaram sobre tudo o que ia passar, e em alguns aspectos não lhe deram conhecimentos profundos, ainda que sua cabeça funcionasse como uma grande baú de conhecimento. Ela, como a moça a frente de seu tempo, foi atrás para saber mais sobre seu prometido, mas a única coisa que ganhou com a visita foi saber o que ele era: um devasso, libertino e mulherengo.

Em contrapartida Gifford — ou , ele prefere Gê — fica um tanto curioso quanto a sua noiva, tanto quanto aos interesses do pai para aquele casamento e se preocupa com o pedido pessoal de sua Majestade, o Rei Eduardo: contar ele mesmo, de preferência antes da noite de núpcias sobre sua situação equina. Porque sim, é claro, ele é um ediano, e passa seus dias como um garanhão valoroso. Mas tirando isso, e o fato de que até onde ele sabe a noiva só se interessa por livros, o casamento parece ter tudo para dar certo.

Depois do casamento, uma porção de coisas mudam. A saúde de Eduardo piora, e ele tem algumas revelações sobre as pessoas a sua volta, e sobre si mesmo, claro. Jane e Gê se veem presos um ao outro, discutindo a cada momento e tentando entender aonde aquilo tudo vai levá-los e a Inglaterra, que é uma senhora muito antiga, que vai ser usada como pano para muita manga para que todos essas pessoas possam conseguir o que quer.

    Minha opinião

Comecei a escrever essa resenha por aqui, porque é o que a empolgação exige!

Quando soube do lançamento do livro por aqui, fiquei muito ansiosa para ler. A ideia geral do livro já me agradava, achei interessante todo o enredo, adoro histórias que se passam em Londres, e todo mundo estava falando super bem. Baixei uma amostra da Amazon e achei divertido, e quando peguei para ler, eu não me decepcionei.

Primeiro de tudo, um livro escrito por três autoras diferentes? Eu pensei que isso não ia dar certo de forma alguma, achei que ia ficar confuso e a gente ia acabar vendo níveis diferentes e falhas de continuidade, o que já vi acontecer. PORÉM — e sim, um porém em caixa alta — foi uma mistura muito agradável. De Brodi Ashton e Jodi Meadows eu nunca li nada, e da Cynthia Hand eu só li O último Adeus, que tem uma pegada um tanto mais seria. De qualquer forma, eu não consigo ver traços de escrita de nenhuma delas separadamente, vi um conjunto bem sucedido.

A trama, como já mencionei, é bem encaixada. Tudo é narrado em terceira pessoa, mas sob três pontos de vista diferentes: Jane, Eduardo e Gê. O pano de fundo é histórico, a Lady Jane existiu mesmo, mas elas fazem com ela algo que nos faz ter uma visão diferente de tudo que você possa ler da personagem, me lembrou uma heroína de romances históricos, mas de uma forma que faz com que nos identificamos. Os personagens todos tem características muito humanas, são muito bem trabalhados e profundos, divertidos, apaixonantes e se você ler mais sobre como eles foram e como eles são no livro, vai ver similaridades, mas as coisas vão para um nível que a versão das autoras seja bem mais plausível.

O livro é longo, e eu só demorei a ler porque fiquei com medo de acabar. Sério! Eu raramente tenho isso, não sou dessas que prolonga a leitura porque não quer acabar logo, mas nesse livro eu estava muito apegada, muito triste de passar cada página e chegar mais perto do fim. O livro tem carga histórica e política, tem fantasia, tem um humor muito delicioso, tem fantasia, tem romance e tem um cavalo. Ou seja, se eu até agora não te convenci a ir correndo pegar esse livro, não sei mais o que fazer para te convencer.

E se você chegar ao final do livro chorando copiosamente porque precisa de mais livros assim na sua vida, fique feliz. As autoras vão se juntar para escrever mais dois livros sobre Janes da vida. My Plain Jane, supostamente sai lá fora em maio de 2018, sobre a Jane Eyre e Charlotte Brontë. E My Calamity Jane que supostamente sai lá fora em 2020 e eu não sei se consigo esperar, que fala sobre a hm… Calamity Jane. O mais legal é que vão ser histórias reais, com panos de fundos muito diferentes, e com o potencial de entrar para a lista de melhores livros que alguém ousou publicar. Claro, sem ser tendenciosa aqui.

Minha Lady Jane, Romance, Histórico, Inglaterra, Monarquia, Comédia, Jane Grey, Edianos, Verdáticos, Gifford, Eduardo VI, Moléstia

Título: Minha Lady Jane (My Lady Jane)
Autor: Brodi Ashton, Jodi Meadows e Cynthia Hand
Editora: Gutenberg
Número de páginas: 368
Lançamento: 2017
Comprar (Amazon – R$ 28,90)

 
 
 
 

* ESTA RESENHA PARTICIPA DO TOP COMENTARISTA DO MÊS DE SETEMBRO *

Related Posts

2 Discussion to this post

  1. Thais disse:

    Esse livro esta na minha lista de desejados a tempo. Amo livros com essa pegada e em Londres entao , amo. Acabei de comprar O Último Adeus pq tbm nunca li nada dessa autora .

  2. Janaina silva disse:

    Uau,fiquei surpresa com o conteúdo do livro!
    Tem uma junção de tudo que gosto nos livros.
    É baseado em uma história real. Provavelmente com muitas conspirações por envolver política,romance e ainda doses de fantasia?
    Fiquei extremamente curiosa em conhecer essa história escrita por três autoras. E que bom que tenha dado certo! 🙂

    Fiquei bem contente com a dica. Pois sei que vou gostar muito! 😊

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *