O Jogo do Amor e da Morte, Martha Brockenbrough

jogo, amor, morte, martha brockenbrough, verus editora, 2017, romance, flora, henry, romances clássicos, aviação, anos 30

Grandes casais apaixonados na história do mundo terminaram em tragédias ocasionadas pela morte, mas antes, todos eles viveram intensamente o amor. O que não sabíamos era que entre o amor e a morte há sempre um jogo, cada um escolhe seu jogador e usa de todos os artifícios para vencer. A morte costuma ter grande vantagem sobre o amor, mas isso não significa que o amor não seja um bom jogador. Assim, nesse romance ele escolhe Henry enquanto a morte escolhe Flora como sua jogadora. Com mundos e vidas completamente diferentes, a história deles se encontra num jogo de amor, e eventualmente, de morte.

A história começa com cada oponente do jogo – a saber, o amor e a morte – escolhendo seus jogadores quando eles ainda eram bebês. A história se passa nos anos 30, Henry um rapaz branco que mora de favor com a família Thorne, pois seus pais já haviam falecido. Flora, uma moça negra mora na periferia da cidade com a sua avó e um tio. Henry possui todos os privilégios de ser um homem branco vivendo em uma família rica, estuda em uma ótima escola, tem boas notas, é apaixonado por música, e vive bem com a família. Inclusive tem seu melhor amigo Ethan, filho do casal Thorne. Enquanto isso Flora sofre todas as desvantagens de ser uma mulher negra em uma família pobre, abandonou a escola para trabalhar, é cantora em uma casa noturna de seu tio, e aguenta alguns abusos por precisar do emprego. Uma outra paixão e um outro trabalho seu é a aviação, Flora trabalha em um campo de aviação e possui o sonho de comprar seu próprio avião e sair da vida que ela leva.

Durante os dezessete anos seguintes, o Amor e a Morte observaram seus jogadores. Observaram e esperaram o Jogo começar.

A vida dos jogadores se cruza pela primeira vez quando eles ainda eram crianças, um encontro simples, mas que eles guardaram na memória. Aos 17 anos eles se reencontram e aí começa toda a história entre eles. Henry fica perdidamente apaixonado por Flora, enquanto ela, sabendo de tudo o que já passou em sua vida e tudo o que namorar um homem branco significava foi muito mais relutante em relação à Henry. O Jogo tem um prazo para se encerrar, e ambos oponentes usam todas as suas armas para ganhar. O Amor e a Morte se encontram algumas vezes para discutir sobre o jogo, o Amor sempre tentando encontrar um jeito de evitar a fatalidade do destino deles, e a Morte sempre o lembrando do placar.

Henry e Flora inventaram desculpas para fazer hora depois do show. Uma tempestade súbita de verão tinha desabado, e eles se esconderam sob o toldo vermelho em frente ao Majestic.

Ethan, o amigo de Henry, nutre por ele um amor mas que logo é substituído por um outro homem, ninguém menos do que o próprio Amor disfarçado. Enquanto que a Morte aparece em algumas formas para Flora, como uma gata preta que sempre a ronda, e como a prima de Ethan, Helen, que tenta por tudo conquistar Henry. O desfecho da história perpassa por um dos oponentes ganhar o jogo, mas de forma diferente da programada. A história de Henry e Flora se conecta de diversas maneiras e se desencontra de outras várias.

O Amor tinha sentido sua oponente voltar para a cidade horas antes. E disfarçada como a prima. Não era surpresa o rosto ser reconhecível. Foi uma jogada inteligente, diabolicamente inteligente.

jogo, amor, morte, martha brockenbrough, verus editora, 2017, romance, flora, henry, romances clássicos, aviação, anos 30

    Minha opinião

Esse foi um dos livros que eu mais demorei pra ler. Não sei se eu não conseguia me conectar com os personagens ou se eu resisti muito a deixar que eles me cativassem. Já comecei o livro achando o Amor e a Morte muito pretensiosos e cruéis em querer definir a vida das pessoas através de um jogo. Talvez essa manipulação entre eles tenha sido outro fator que me fez não gostar logo de cara. Mas, depois do meio da leitura, quando eu já tinha me habituado com o fato de que essa era a história, eu consegui fluir mais, ansiando pelo final do jogo, já que o Amor estava sempre em desvantagem eu gostaria de saber se dessa vez seria assim. Não vou dar spoiler.

A Morte desapareceu, como sempre fazia quando se cansava da presença dele, e o Amor caminhou, confuso, na outra direção, até estar parado na frente de uma cafeteria quase vazia. Ele comeu sozinho na praça antiga: um simples prato de gnocchi com vinho tinto acre, observando as estrelas que procuravam caminho para sair do céu noturno que as escurecia. O Jogo tinha começado. Ele sofreu pelos jogadores.

Pontos positivos do livro: por ser um romance, consegui me conectar com os personagens, compreender suas razões e seus contextos. Achei a escrita bem feita, com muitos detalhes sobre as situações. Gostei que o Amor e a Morte apresentam características humanas, mas sempre nos lembram que são imortais e que não tem como serem parecidos com humanos. Gostei da temática de antagonizar o amor e a morte e das referências à romances clássicos. Os detalhes de aviões nas páginas deram um charme, e a fonte diferente nos títulos dos capítulos também.

Pontos negativos: Muitos detalhes, algumas vezes, tornam a leitura um pouco maçante. Achei que o livro poderia ter menos páginas e mesmo assim contar uma boa história. Foi um bom livro, mas não foi um livro SUPER maravilhoso, sabe?!

E ali, na escuridão, o Amor e a Morte e aqueles que estavam dentro deles dançaram até a música acabar. Então, quando tudo ao redor ficou silencioso e imóvel, os dois desapareceram.

jogo, amor, morte, martha brockenbrough, verus editora, 2017, romance, flora, henry, romances clássicos, aviação, anos 30
 
Título: O Jogo do Amor e da Morte (The Game of Love and Death)
Autor: Martha Brockenbroug
Editora: Verus Editora
Número de páginas:304
Lançamento: 2017
Comprar (Amazon – R$ 27,09)
 
 
 
 

AWTR ASSINATURA PARA BLOG3

* ESTA RESENHA PARTICIPA DO TOP COMENTARISTA DO MÊS DE NOVEMBRO *

Isabela Tavares

Leitora desde muito cedo, carrego comigo as inspirações de menina sonhadora com um quê de mulher que não acredita em tudo que lê. Prefiro romances pela possibilidade de me apaixonar por personagens densos e complexos.

Related Posts

2 Discussion to this post

  1. Lili Aragão disse:

    Oi Isabela, achei a premissa da história interessante e fiquei curiosa pra saber se o amor vence, espero que sim, não curto finais tristes haha. Só me preocupa a questão da conexão, eu achei bom você ter conseguido se adaptar ao ritmo da história e se conectar ao longo dela, mas eu tenho um problema, se não der certo no começo, nem adianta que a leitura vai se arrastar rsr. Mas como curti, talvez me arrisque futuramente e espero gostar 😉

  2. Isabela!
    Que pena ter demorado para fazer a leitura por não ter se conectado.
    Acho importante um livro quando aborda todas as formas de amor sem preconceito, ainda mais em um tempo onde essas formas de amar, eram ainda mais preconceituosas do que hoje em dia.
    Gostei da mistura de romance, ficção e sobrenatural, deve dar um ar de mistéiro e deixar o leitor intrigado.
    Desejo um final de semana carregadinho de luz e paz!
    “ Inteligência não é não cometer erros, mas saber resolvê-los rapidamente.” (Bertolt Brecht)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *