Tartarugas até lá embaixo, John Green

toc, transtorno obsessivo compulsivo, holmes, daisy, davis, tartarugas até lá embaixo, turtues all the way down, intrínseca, john green

Tartarugas até lá embaixo acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto tenta lidar com o próprio transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Aza Holmes é uma garota no auge da sua adolescência com um twist especial: no passado, algum acontecimento a traumatizou e ela desenvolveu transtorno obsessivo compulsivo. Vale lembrar que o livro é narrado em primeira pessoa por ela, então estamos sempre dentro de sua cabeça. Daisy, sua melhor amiga desde a infância, escreve fan-fics de Star Wars, é uma garota muito descolada e fala pelos cotovelos. Durante um intervalo no colégio, Daisy está tagarelando sobre um bilionário desaparecido pelo qual está sendo oferecida uma recompensa gorda. Mas Aza não está prestando atenção, pois está focada no machucado em seu dedo, por baixo do band-aid, com medo que ele infeccione.

Russel Pickett está foragido: a suspeita é de que ele tenha cometido vários crimes corporativos e tenha fugido para não ser condenado. Daisy descobre que ele é o pai de um conhecido antigo de Holmes, Davis, e convence a amiga a tentar uma aproximação em busca de pistas para solucionar o mistério e faturar a bolada. Aza parece relutante no começo, mas concorda pois sabe que o dinheiro viria em boa hora para garantir sua entrada em uma faculdade. Holmes e Davis foram juntos a um acampamento para tratar sintomas depressivos na infância e foi onde se conheceram.

Toda perda é única. Não dá pra saber como é a dor de outra pessoa, da mesma forma que tocar o corpo de alguém não é mesmo que viver naquele corpo.

toc, transtorno obsessivo compulsivo, holmes, daisy, davis, tartarugas até lá embaixo, turtues all the way down, intrínseca, john green, pensamentos invasivos

Elas bolam um plano para entrar na propriedade dos Picketts e conversar com Davis, porém logo descobrem que o adolescente também não tem a menor ideia do paradeiro de seu pai e está mais do que incomodado com as pessoas que estão tentando se aproximar dele por interesse. Mais do que isso, vemos ao longo da história um misto de emoções que o atingem sobre o abandono de seu pai e principalmente em como isso afeta seu irmão mais novo, Noah. Para piorar, descobrimos que o único herdeiro de Russel é sua Tuatara, um animal considerado um fóssil vivo.

O verdadeiro terror não é ter medo, é não ter escolha senão senti-lo.

Em meio a toda uma jornada, que inicialmente era em busca do bilionário fugitivo, vemos como funciona a cabeça de Aza, e como as chamadas espirais de pensamento ou pensamentos invasores a afetam durante todo o tempo. A comparação que temos é de que Aza está do lado da rodovia e vários carros (os pensamentos) estão passando por ela constantemente e ela está alheia ao controle do fluxo. Ela nunca chega a esquecer o machucado em seu dedo e como uma nova coisa que ela fez pode ter desencadeado uma infecção que a levará a morte.

Qualquer um pode olhar para você, mas é muito raro encontrar quem veja o mesmo mundo que o seu.

Minha opinião

Tartarugas até lá embaixo não foi meu primeiro contato com um obra do John Green, já li A culpa é das estrelas e Cidades de papel e posso dizer que a escrita dele está mais madura e ele precisou só de poucas páginas pra entregar uma história convincente e completa. Consegui tirar muitas citações desse livro, o que deixou um pouco com o pé atrás. Como se o autor tivesse forçado um monte de diálogos e pensamentos para compartilharmos depois.

toc, transtorno obsessivo compulsivo, holmes, daisy, davis, tartarugas até lá embaixo, turtues all the way down, intrínseca, john green, pensamentos invasivos

Posso resumir em três palavras tudo o que aprendi sobre a vida: a vida continua.

Um salve especial para os personagens do livro: Aza, sua mãe, Daisy e Davis, todos muito bem construídos e complexos, cada um a sua maneira. John Green não poupou palavras para nos fazer ter uma idéia de como funciona a mente de uma pessoa com TOC (ou como ela não funciona em algumas situações). O romance não é forçado e a outra pessoa não surge para salvar Holmes. Cidades de papel sempre foi meu livro favorito de John Grenn, mas agora, parece que essa posição ficou abalada.


 
Título: Tartarugas até lá embaixo (Turtles all the way down)
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 256
Lançamento: 2017
Comprar (Amazon – R$ 20,90)
 
 
 
 

* ESTA RESENHA NÃO PARTICIPA DO TOP COMENTARISTA DO MÊS DE NOVEMBRO *

Se você chegou até aqui, preparei uma surpresa: VAI TER SORTEIO! Saiba como participar:

    Regras:

    • Haverá somente 1 (um) ganhador. Certifique-se de preencher os dados certos no formulário e cumprir todas as regras;
    • Residir em território brasileiro;
    • O blog não tem responsabilidade por extravio ou perda por conta dos correios;;
    • O sorteio terá início em 30 de novembro e término em 20 de dezembro de 2017;
    • O resultado será divulgado até dia 05 de janeiro de 2018 neste mesmo post;
    • O ganhador deverá responder o contato em até 48 horas, ou o sorteio será refeito;
    • O prazo para o envio do livro é de 40 dias a partir da data de validação do vencedor e será feito pela editora;
    • O sorteio será realizado aleatoriamente e automaticamente pelo site Rafflecopter e em seguida, irei conferir se o ganhador obedeceu à todas as regras;
    • É obrigatório curtir a fanpage do A world to read (não esquecer de ativar as notificações), as outras entradas são opcionais, mas garantem mais chances de ganhar.

a Rafflecopter giveaway

Juliane Oliveira

Gosto de distopias memoráveis e contemporâneos que não sejam desnecessariamente tristes. Não sou muito fã de dias chuvosos ou frios. Apaixonada por séries, livros, filmes e pets no geral.

Related Posts

6 Discussion to this post

  1. Elidiane Lima disse:

    Oi, Juliane!
    Nunca li nada do John Green, confesso que nunca me interessei, mas lendo sua resenha fiquei interessada na história de Aza com seu transtorno obsessivo-compulsivo, e já coloquei Tartarugas até lá embaixo na minha lista de leitura!
    Bom saber que o romance em Tartarugas até lá embaixo não é forçado… Amei os quotes que você colocou na resenha, principalmente o primeiro… Enfim, valeu pela dica!

    Quanto ao sorteio, vou participar com certeza!

  2. Juliane!
    Não sabia que o John Green tinha sido diagnosticado com TOC.
    Deve ser muito complicado sentir pensamentos intrusivos constantemente ‘entrarem’ na nosa mente e tornarem a vida bem complicada.
    Gostei de ver que além do mistério do desaparecimento, outros temas foram aborados, como a injustiça e questões existenciais.
    Claro que quero fazer essa leitura.

    Participo e mais tarde sairá divulgação no blog.
    Rudynalva Correia Soares
    rudynalva@yahoo.com.br
    Que dezembro seja repleto de realizações e o final de semana cheio de luz e paz!
    “Dentre os mais dignos predicados de um homem está o de saber dizer a verdade.” (Renato Kehl)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

  3. Francisca Elizabete Bezerra dos Santos disse:

    O livro aborda uma doença que muitos ainda desconhecem!! E pensar que a ansiedade pode causar um grande desconforto na vida das pessoas. O que podemos sentir lendo esse livro são sentimentos de amor, amizade, impotência, raiva. Penso que John Green consegue descrever muito bem os sintomas do TOC, pois ele mesmo tem que lidar com a doença!! Porém como o próprio autor diz: “Posso resumir em três palavras tudo o que aprendi sobre a vida: a vida continua”.

  4. Lana Silva disse:

    Estou louca para ler este livro, já li outra obra do autor, no entanto pelo tema abordado nesta nova estória foi capaz de me despertar muito interesse pela leitura, além de que a obra possuiu personagens cativantes, uma estória envolvente, que me chamou muito a atenção.

    Participando.
    Lana Silva
    lannawesley@gmil.com

  5. Dai Castro disse:

    Eu nunca li nenhum livro do John Green, acho que nunca estive muito disposta a encarar histórias tristes que eu vejo por ai lendo as resenhas ou vendo os videos sobre os livros dele, mas acho que essa história parece ser um pouco diferente. Só não participo do sorteio porque ganhei esse livro em outro sorteio que participei recentemente! haha Espero ler em breve, vamos ver como eu me saio nesse primeiro contato com o autor.
    Beijos!

  6. Distração Literária disse:

    Estou louca pra ler a nova obra do tio Green, na expectativa para o sorteio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *