Crooked Kingdom – Vingança e Redenção, Leigh Bardugo

Leigh Bardugo, Kaz Brekker, Inej Ghafa, Jesper Fahey, Wylan Van Eck, Matthias Helvar, Nina Zenik, Grishas, Ketterdam, Barril

Crooked Kingdom: Vingança e Redenção foi um dos lançamento mais aguardados do ano para mim. Desde que li Six of Crows fiquei levemente desesperada para ler a continuação o quanto antes. As coisas terminaram um pouco tensas no primeiro livro da duologia, e esperamos que as coisas resolvam da melhor forma para Kaz, Inej, Jespes, Wylan, Matthias e Nina. Como esse é o segundo volume, fica aqui o aviso de que é inevitável mencionar coisas que aconteceram no primeiro livro.

Os planos de Kaz deram errado. O dinheiro prometido por Jan Van Eck nem chegou perto de suas mãos. O mercante foi mais esperto que eles, emboscando-os e levando Inej consigo a fim de possuir poder sobre eles e trocá-la por Kuwei Yul-Bo, o filho do cientista Shu, e o único a possuir os segredos da Jurda Parem.

Ela os imaginou verificando as cordas em seus punhos, esfregando suas mãos para dar-lhes vida. Não disse a si mesma que não estava com medo. Tempos atrás, depois de uma queda séria, seu pai tinha explicado que só os tolos não sentiam medo. […]

A prioridade do grupo passa a ser resgatar Inej sã e salva, e com ela formar um plano que os faça se vingar de Jan Van Eck, ganhar o dinheiro deles por direito e assim, cada a seu modo, conquistar a liberdade de seu passado. O grupo precisa estar cada vez mais juntos, trabalhando no que cada um tem de melhor para oferecer, e superando as dificuldades que encontram no caminho:

Kaz se vê em uma posição frágil, sua esperteza não pode ser superada, seus planos precisam dar certo. Não existe fraqueza no Barril. Inej se vê cara a cara com sua sombra, com seus pecados e precisa lutar para vencê-lo. Nina tem de lidar com a abstinência da Jurdam Parem, e a consequência que isso parece ter deixado em seus poderes de Grisha. Matthias tem um sonho recorrente que o assusta, sua necessidade de manter Nina segura o deixa agitado, fora o fato de que precisa rever seus aprendizados da ordem Drüskelle para se encaixar na nova vida que leva. Wylan passa o tempo todo se questionando, tentando aprender o seu valor que foi questionado por toda a sua vida, ele tem contato com o lado mais podre de seu pai e isso serve como lenha para aumentar a força de sua chama. E Jesper precisa encarar seu pai e seus poderes, para conseguir lidar com seus defeitos.

“Pense sobre isso, Wylan”, disse Kaz enquanto alinhava a moldura. “É a vergonha que enche meus bolos, é a vergonha que mantém o Barril repleto de tolos prontos para vestir uma máscara simplesmente para que possam ter o que querem sem ninguém tornar conhecimento disso. Podemos enfrentar todo tipo de dor. Mas é a vergonha que devora o homem.”

Durante o livro, planos são feitos e desfeitos, pequenas vitórias e pequenas derrotas parecem acontecer para o grupo. Cada um tem seu papel crucial, se desenvolvendo mais e mais. Por vezes é difícil lembrar que eles são tão jovens, mas tão calejados pela vida que tiveram que levar. O Barril embrutece a todos. Por vezes, os acontecimentos nos deixam desacreditadas que algo vai dar certo, eles são postos em contato com seus piores inimigos e precisam achar uma artimanha para sair dessa. A intensidade dos fatos deixa o coração acelerados em cada páginas.

    Minha opinião

É difícil escolher o que falar desse livro porque ele é muito dinâmico, muito intenso. Coisas acontecem o tempo todo, coisas cruciais, e perder um instante pode te deixar perdido lá na frente. Algumas coisas deixei de fora, porque eu acredito que é uma surpresa feliz lê-los no livro, ou até mesmo surpresas não tão felizes assim, mas que temos que passar por elas para encerrar a duologia. A narrativa de Leigh Bardugo cativa e te carrega de cena em cena, de armação a armação, quando você torce a cada minutos pelos personagens.

Achei um ótimo desfecho, as coisas funcionaram muito bem. Senti que a autora quis deixar algumas coisas mais vagas, talvez para novos livros, talvez para contos avulsos. Eu adoro os personagens que ela criou, sinto o crescimento de todos, mas é difícil despedir deles, talvez seja por isso que parte de mim espere voltar para eles mais para frente. E o mundo, isso eu acho que ainda tem muito potencial para ser trabalhado. Seria muito interessante saber mais da vida das pessoas das outras nacionalidades, já que vemos muito por um ponto de vista estratégico e até militar/político.

Leigh Bardugo, Kaz Brekker, Inej Ghafa, Jesper Fahey, Wylan Van Eck, Matthias Helvar, Nina Zenik, Grishas, Ketterdam, Barril

 
Título: Crooked Kingdom – Vingança e Redenção (Crooked Kingdom)
Autor: Leigh Bardugo
Editora: Gutenberg
Número de páginas: 448
Lançamento: 2017
Comprar (Amazon – R$ 36,80)
 
 
 
 

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *